Não ignorar a luta de classes
Malu Aires critica politica capitulado da esquerda que se juntou à direita nas manifestações contra o governo do PT mas desconsidera movimento real contra os governos da direita
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
junho 2013
PM tucana reprime manifestações contra governo da direita em SP e manifestações explodem país afora |
Resultado de imagem para malu aires anulação impeachment
Malu Aires (segunda da direita para esquerda), participa de ato de lançamento da campanha pela anulação do impeachment em São Paulo

A companheira Malu Aires, ativista da luta contra o golpe, que participou ativamente da luta contra o impeachment e pela sua
anulação, impulsionando essa mobilização junto com o PCO (Partido da Causa Operária) e alguns setores minoritários da esquerda, em oposição à política capitulado da maioria da esquerda burguesa e pequeno burguesa que se recusaram a realizar uma ampla mobilização contra a derrubada da presidenta Dilma Rousseff, que defenderam “virara-se a página” do golpe(esquece-lo) e até mesmo se integrar aos golpistas, publicou nas redes sociais texto em que procura se colocar frente ao debate em torno do balanço que a esquerda vem realizando sobre as manifestação de julho de 2013, principalmente, após as declarações do ex-presidente Lula acusando os “EUA de promover manifestações de Junho de 2013 com o objetivo de derrubar Dilma“, que foram criticadas pelo presidente do PSOl, em nome do suposto estudo realizado por “centenas de historiadores, sociólogos e cientistas políticos de ESQUERDA“.

Visando, corretamente, criticar a política direitista de setores da esquerda (como a maioria do PSOL) que embelezaram aquelas manifestações e até chegaram a apresentá-las como a chegada da revolução ao Brasil, enquanto adotavam uma política profundamente reacionária de apoiar ou se curvar diante da tomada das manifestações pela direita, justamente para atacar o governo, o PT e a maioria da esquerda, a companheira Malu desconsidera – como quase toda a esquerda – que as manifestações surgiram de um movimento real fruto da enorme revolta popular contra a brutal repressão empregada pelos Resultado de imagem para repressão PM SP junho 2013governos da direita – em primeiro lugar do governo tucano de Alckmin (SP), contra as manifestações – de maioria estudantil. – contra o aumento das passagens. As quais fizeram os protestos de alguns poucos milhares de jovens se transformarem em atos gigantescos a partir do dia 13 de junho daquele ano.

Essa esquerda realiza uma analise subjetiva dos acontecimentos, sobre a base dos desdobramentos das manifestações, deixando de lado o que de fato aconteceu naquele movimento. Passam por cima do fato de que as mobilizações de 2013 Resultado de imagem para junho 2013foram, inicialmente, típicas manifestações de esquerda e populares, iniciadas tendo como centro a palavra de ordem contra o aumento da passagem. Se tornaram ainda mais populares quando Geraldo Alckmin do PSDB colocou sua polícia (essa sim fascista) para “arrepiar” os manifestantes nas ruas de São Paulo. Com isso, o movimento transbordou e a luta contra a repressão também se tornou uma palavra de ordem do movimento.

Adotando uma consideração de tipo fatalista (foi assim porque estava estabelecido a priori assim) esses analistas que não baseiam suas analises nos fatos, ignoram a luta de classes. Desconsiderando os fatos a esquerda deixa de lado que as manifestações que foram controladas e infiltradas pela direita, “pautadas” pelas reivindicações apresentadas pela Rede Globo, surgiram da revolta não contra o governo Dilma, mas sim contra os governos da direita cujas PM’s dispararam contra trabalhadores e estudantes, alguns para ocultar o fato de que dirigentes da esquerda, como o então prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, não denunciaram a selvageria da direita e não se colocaram ao lado das manifestações contra a repressão da direita, mas buscaram achar uma solução comum pra conter os protestos, realizando reuniões conjuntas para conter as manifestações, buscando inclusive transferir parte da responsabilidade ara o governo Dilma.

Malu embarca nessa perspectiva comum, entre outros, aos que ao que ela chama de “galera” que “que saiu mesmo com a extrema-direita às ruas, naquela suruba apartidária” e aos que foram vítimas dessa ofensiva (como Lula e o PT), sem se dar conta do fato de que os primeiros apoiaram – no fundamental – a politica e os métodos reacionários que a direita buscou ditar para o movimento (apartidarismo, apoio à reacionária campanha contra a corrupção comandada pelos corruptos, frete com a direita contra o PT etc.) e os segundos se colocaram contra a mobilização real, fizeram frente com os governos da direita (como Haddad com Alckmin), não chamaram a mobilizar contra a repressão e a direita, entregaram as ruas para a direita etc.

A companheira chega ao ponto de desconsiderar essa mobilização anterior e posterior à repressão da direita, apontado que “lançar a esquerda nas ruas”teria sio apenas uma “tentativa de neutralizar a sana fascista da classe média, que já erguia suas plaquinhas, contra a PEC 37, em favor do conluio da LJ”.

Com a colaboração ativa e/ou passiva da maioria da esquerda, o movimento foi entregue à direita, e aprofundou a defensiva que levou a que a imensa maioria da esquerda não lutasse – de fato – contra o golpe (não indo além de uma rala oposição parlamentar ao impeachment), abandonasse a defesa do governo Dilma e da anulação do impeachment (o que a companheira Malu sabe foi eito por uma minoria) e buscasse uma integração cada vez maior com os golpistas, defendendo o “plano B” de substituição de Lula por outro candidato aceitável pela burguesia golpista, se recusando a mobilizar contra a prisão e pela liberdade do ex-presidente e defendo uma frente, cada vez mais ampla, com partidos golpistas que ajudaram a extrema direita a “virar” as manifestações de junho de 2013 contra a esquerda.

Mas essas consequências das derrotas sofridas em 2013 e nos anos posteriores, não deve levar a esquerda a ignorar que o movimento de 2013 foi uma grande mobilização popular, com condições inclusive de colocar em risco o regime político direitista, em particular os governos estaduais de São Paulo (PSDB), Minas Gerais (PSDB) e Rio de Janeiro (PMDB). A burguesia, sabendo desse risco, aproveitou-se da política capituladora da esquerda para tomar para si os rumos do movimento. Entregar todo aquele movimento popular para a direita é dar um atestado de que a direita é popular, tem apoio e que portanto talvez o golpe deve até ter sido merecido e Bolsonaro seria o herdeiro legítimo de tudo isso.Resultado de imagem para fora Bolsonaro

Acaba servido também à política dos que querem se opor a qualquer mobilização real contra o golpe, que hoje tem que
assumir a forma de luta pelo Fora Bolsonaro e todos os golpistas, apresentando a fatalidade de que isso não é possível (como não era possível, para eles, evitar a derrubada de Dilma ou lutar pela anulação do impeachment, porque – supostamente – a direita seria toda poderosa e as massas incapazes de enfrentar e derrotar sua ofensiva).

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas