Menu da Rede

Antônio Carlos Silva

Quem ataca mais o povo?

“Mal menor” exige um Bolsonaro ainda mais privatizador

Bolsonaro faz demagogia de que não vai privatizar enquanto privatiza, direita "civilizada" exige mais pressa na entrega do patrimônio nacional

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

Nessa terça-feira, dia 15, o presidente golpista, Jair Bolsonaro, visitou a Ceagesp para uma inauguração e diante de funcionários e trabalhadores do local afirmou que não tem intenção de privatizar a companhia. Em discurso, Bolsonaro afirmou que “nenhum rato vai sucatear [a Ceagesp] pra privatizar pros seus amigos”.

Claramente mais um discurso demagógico do golpista, que diante daqueles funcionários, dissimula sua intenção de privatizar o órgão, que desde 1997 é administrado pelo governo federal. A Ceagesp é o maior entreposto de alimentos da América Latina, mas ao contrário do que afirma Bolsonaro, ela foi incluída no Programa de Desestização em 2019. O ataque de Bolsonaro tem claramente a intenção de promover uma diferenciação eleitoral com João Doria, provável adversário nas eleições de 2022. O governador de São Paulo retrucou, dizendo que o rato deve ser o próprio Bolsonaro.

Diante desse episódio um tanto quanto grotesco, a direita tradicional, por meio de seus porta-vozes da imprensa golpista, aproveitou para atacar Bolsonaro. O escândalo fez com que a direita o atacasse por ser um estelionatário eleitoral, exatamente com essas palavras Bolsonaro foi chamado pelos jornalistas da Band News FM. Segundo eles, Bolsonaro não cumpre sua promessa de campanha de privatizar tudo e não é um orgulho para os neoliberais Mises e Milton Friedman.

Ainda segundo a imprensa venal, Bolsonaro, apesar de todas as promessas, é o presiedente que menos teria privatizado até agora. Tal acusação é bastante plausível, afinal, FHC praticamente não deixou muita coisa para ser entregue aos capitalistas.

Mas as acusações contra um suposto Bolsonaro nacionalista e anti privatização na realidade não passa de pressão para que o presidente golpista coloque em prática o plano de privatização.

Para a direita tradicional, as privatizações são parte fundamental da política econômica. A entrega do patrimônio nacional é urgente para satisfazer os desejos dos grandes capitalistas. Logicamente que a demagogia de Bolsonaro não o faz menos neoliberal, seu governo prepara o desmonte dos Correios e de outras estatais, mas a direita tradicional enxerga essa demagogia de Bolsonaro e seus discursos como obstáculos para levar adiante esses planos.

Esse episódio deixa bastante claro o delírio de setores da esquerda pequeno-burguesa que promovem a direita tradicional como “civilizada”. Os defensores da frente ampla que defendem ser necessário se aliar com todos para derrotar a “barbárie do bolsonarismo”.

Trata-se aqui de uma falsificação da realidade. Fica claro que, além de serem os principais responsáveis pelo golpe e pelo próprio bolsonarismo, esses setores da direita tradicional, representados por PSDB, DEM e PMDB, são ainda mais nocivos do que Bolsonaro. Exigem que o presidente fascista acelere sua política de destruição nacional, de ataques ao povo.

Esse é o “mal menor” que a esquerda defende como solução para derrotar o bolsonarismo. Em torno dessa política, vão se colocandoi cada vez mais a reboque de uma direita assassina e fascista, com a única diferença que Bolsonaro fala coisas escandalosos e essa direita bem pensante faz as mesmas coisas ou pior só que de maneira mais dissimulada, como bons políticos burgueses que são.

Essa política do “mal menor” agora deve ser reproduzida na eleição da Câmara dos Deputados. A esquerda pretende votar no candidato indicado por Rodrigo Maia, que se recusa a colocar em votação os pedidos de impeachment de Bolsonaro mas se apressa em aprovar todos os ataques contra o povo. Qual seria então o “mal menor”?

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

SitesPrincipais
24h a serviço dos trabalhadores
O jornal da classe operária
Sites Especiais
Blogues
Movimentos
Acabar com a escravidão de fato, não só em palavras
Cultura

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.