8 de Março
Atos mostranram a tendencia de luta pelo fora Bolsonaro
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Skype_Picture_2020_03_09T21_14_35_550Z
Foto: Arquivo DCO. |

Nesse domingo, dia 8 de março, foram realizadas manifestações lembrando o dia da mulher trabalhadora em várias cidades do País. Os atos, embora com toda a limitação imposta pela política da esquerda pequeno-burguesa, foram uma demonstração da necessidade de sair às ruas pela derrubada do governo Bolsonaro.

Quando dissemos limitações da política da esquerda nos referimos desde a convocação, ou melhor dizendo, a não convocação dos atos. Para se ter uma ideia, em algumas cidades importantes como Rio de Janeiro, Recife e Porto Alegre, os atos do 8 de Março foram no dia 9 de março. Em aglumas cidades até mesmo no dia 6 ou 7.

Essa dispersão das datas mostra que a esquerda e as organizações populares não levam a sério sequer a tradição da luta das mulheres.

O mais importante, no entanto, foi a convocação política limitada da maioria dos atos. Se em São Paulo, o ato foi convocado pela Frente Brtasil Popular e pela Marcha Mundial de Mulheres – ligada ao PT – com uma chamado político “mulheres contra Bolsonaro”, em outros locais não foi assim. Na maioria dos locais os chamados eram feitas sobre a base de políticas demagógicas e abstratas como uma “luta contra o machismo”. Não a toa, o ato em São Paulo foi o maior e acabou expressando de maneira mais clara a tendencia de luta contra Bolsonaro.

Mas essa tendência foi clara até mesmo nos atos esvaziados, pouco ou mal convocados. Foi uma constante nas capitais a adesão a palavra de ordem fora Bolsonaro. Os militantes do PCO e as mulheres do Coletivo Rosa Luxemburgo estiveram presentes com adesivos, faixas, panfletos e jornais convocando o fora Bolsonaro. Tudo isso foi amplamente recebido por todos os presentes nos atos. Até mesmo as organizações políticas que se recusaram até agora a chamar o fora Bolsonaro e efetivamente são contra esta palavra de ordem foram nos carros de som gritar “fora Bolsonaro”.

Os atos do 8 de Março mostraram que é preciso intensificar a luta pela derrubada desse governo. Essa é a vontade da esmagadora maioria do povo. Por isso, nos s próximos atos, marcados para os dias 14 e 18 de março é preciso uma ampla convocação, chamando o povo a sair as ruas pelo Fora Bolsonaro e todos os golpistas.

 

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas