Direita mata líderes do povo
Depois do cessar-fogo com as FARC em 2016, o governo que não foi desarmado, vem assassinando os desmobilizados que depuseram as armas.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
farc
Manifesto em favor dos desmobilizados das FARC pelo acordo de paz assassinados. | https://www.elmundo.com/noticia/Asesinado-un-desmovilizado-de-las-Farc-en-Antioquia/372562 - cortesia

Mais um ex-combatente é assassinado na Colômbia, denunciou as  partido das Forças Revolucionárias Alternativas do Común (FARC). Dessa vez foi Paula Andrea Osorio García, que pertencia à 24ª frente da organização no departamento de Chocó, e que depôs as armas em Vidrí, Vigía del Fuerte (Antioquia).

Depois que, em 2016, o governo colombiano ratificou o cessar-fogo com as FARC, camponeses e seus apoiadores não param de ser assassinados. Com o cessar fogo a deposição das armas vieram como consequência e condição do acordo. Entretanto, como o governo continuou armado, um grupo paramilitar equipado pela direita, elimina todo aquele que expressamente se opõe à política do governo fascista e ditatorial.

Em 2018, um processo fraudulento capitaneado pela direita elegeu à Presidência da República o ultraconservador Ivan Duque, figura ligada ao controvertido ex-presidente Álvaro Uribe, e deu novo fôlego institucional aos setores refratários aos Acordos de Paz de Havana. As eleições eram o canto de sereia que seduziu a esquerda que se negou a construir Comitês de defesa dos trabalhadores enquanto avançava o fascismo. Iván Duque, 41 anos, foi eleito para presidir a Colômbia até 2022.

Com Iván Duque como presidente do país, os assassinatos seletivos contra lideranças sociais e ex-combatentes, assim como os massacres se intensificaram em todo o território colombiano.

De acordo com o balanço do Instituto de Estudos para o Desenvolvimento e a Paz (Indepaz), até o último dia 22 de novembro, 76 massacres foram registrados na Colômbia em 2020.

Nessa escalada, o terror fascista avança, e, em meio a um processo de privatização do setor financeiro com acordos com o FMI, pelo menos 983 líderes sociais, dos quais quase a metade são mulheres, foram ameaçados de morte na Colômbia. Esta é uma denúncia de Carlos Negret, chefe da Defensoria del Pueblo, agência responsável pela defesa dos direitos humanos no país.

Preso à dominação estrangeira dos norte-americanos e a essa oligarquia conservadora e fascista, o povo se esforça e luta para se ver livre da opressão que lhe é imposta, e conseguir pôr um fim a esta dominação. Mas está sendo preciso passar por um banho de sangue contra as lideranças comunitárias e aos guerrilheiros, como a que vem acontecendo, para reconhecer a ingenuidade do acordo de paz, e todo o seu sacrifício em troca de nada.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas