Siga o DCO nas redes sociais

Banco Santander não paga PLR
Mais um ataque do Santander: pagamento da PLR só no dia 30
Banqueiros do Santander dão golpe no trabalhador e não pagam Participação nos Lucros
DSC_0435
Banco Santander não paga PLR
Mais um ataque do Santander: pagamento da PLR só no dia 30
Banqueiros do Santander dão golpe no trabalhador e não pagam Participação nos Lucros
Bancários do Santander protestam. Foto: Reprodução
DSC_0435
Bancários do Santander protestam. Foto: Reprodução

Os representantes dos banqueiros imperialistas no Brasil do banco espanhol, Santander, a cada dia aumentam as suas ofensivas contra os trabalhadores e a população em geral.

Tentativa de abrir as suas agências bancárias nos finais de semana; processos contra as organizações dos trabalhadores em relação ao ajuizamento de ações contra o banco; alteração da bandeira do Vale Alimentação dos seus funcionários que os estabelecimentos comerciais não aceitam, fechamento de agências, demissão em massa, arrocho salarial, são apenas alguns exemplos dos ataques desferidos por esses verdadeiros criminosos, que ajudaram a financiar o golpe de estado no país, que teve como consequência a eleição fraudada do fascista Bolsonaro, que vem, através da política econômica neoliberal, arruinando o país.

Neste sentido, o banco vem violando sistematicamente a Convenção Coletiva de Trabalho da categoria e, mais uma vez, os banqueiros imperialistas decidem passar novamente por cima do que foi acordado na campanha salarial e não realizou o pagamento, no último dia 20, a antecipação da Participação dos Lucros e Resultados (PLR), aumentando o sufoco financeiros dos seus trabalhadores até, sabe-se lá, o dia 30.

A justificativa ridícula do banco em não fazer o pagamento na data acordada, é que teria dificuldade para rodar duas folhas de pagamento. Tal justificativa demonstra o grau de cinismo desses banqueiros, que são uns verdadeiros parasitas dos trabalhadores e de toda a sociedade. Somente no primeiro semestre deste ano o banco lucrou uma bagatela de R$ 7 bilhões. Tal resultado revela o que efetivamente está por trás do não pagamento da PLR: atacar os trabalhadores e o aumento da exploração deles, além, é claro, de aumentar os seus lucros, retendo por mais 10 dias centenas de milhões de reais na especulação financeira.