Mais negros mortos nos EUA
A polícia de Colombus, capital de Ohio, assassinou dois negros em menos de três semanas
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
000-8xq6rz
Protesto contra a polícia assassina de Columbus nos EUA | Reprodução

Nesta quinta-feira (24), foi registrado a morte de dois negros nos Estados Unidos em um intervalo menor de três semanas na mesma cidade de Colombus (estado de Ohio). São quase uma centena de mortes desde o assassinato de George Floyd, que marcou uma intensificação dos protestos contra a violência policial nos EUA e contra o racismo.

O primeiro foi Casey Goodson Jr., jovem (23 anos) assassinado com vários tiros pelas costas por um xerife de Ohio. O segundo foi Andre Hill (47 anos), morto por policial enquanto mexia em seu celular. As mortes aumentaram a crise do regime e geraram novos protestos que devem ser direcionados a dissolução de todo aparato repressivo do estado e privado.

Casey foi morto dentro de casa em frente a sua avó e duas crianças, a vítima levava um lanche nas mãos para casa depois de ir ao dentista. Na falta de imagens, a polícia alegou que Casey estava armado e que não se estava em sua residência. Já a morte de Hill foi registrada na câmera do policial, a vítima caminhava lentamente em direção ao policial enquanto mexia no celular.

Os protestos contra violência policial e mortes dos negros se intensificaram nos últimos anos, o conflito de séculos repercutiu em todo planeta levando milhões de pessoas às ruas em diversos países com a morte de George Floyd. Esse foi um marco de um novo período que se abre com protestos radicalizados contra as instituições repressivas do estado e também com enfrentamentos armados de fascistas e antirracistas.

A crise que se abre no interior do regime é cada vez mais, o estado capitalista não é capaz de conter a violência institucional contra os negros. Não se trata de punir os policiais individualmente, a polícia existe para reprimir a população, principalmente, os mais pobres que são os negros. Por isso, é fundamental a extinção de todas elas.

Nenhuma reforma assim como nenhuma demagogia foi capaz de promover uma mudança profunda nas condições de existência do povo negro. Os negros continuam lutando contra a violência histórica que perdurou regimes sociais, bem como, contra a miséria e a fome. Os descendentes de escravos nunca foram emancipados, nunca foram libertados.

O crime de ser negros nos EUA, condena milhões à fome e a morte por falta de acesso saúde ou violência do estado, além das incontáveis mortes por policiais, os negros são maioria nas prisões norte-americanas com população de quase 2,5 milhões de pessoas. Os números são absurdos por si mas revelam o massacre contra os negros que representam menos de 20% de toda população.

A situação de crise tem levado o país à beira de uma guerra civil, de um lado as instituições repressivas e os grupos fascista, de outro os negros e grupos antirracistas. A população negra precisa se organizar de maneira independente da burguesia e da demagogia da esquerda nos EUA, de forma a combater a direita e extrema-direita do país, é necessário um partido operário e revolucionário para vitória dos negros e de todo operariado norte-americano.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas