Mais de mil manifestantes são presos na… Venezuela? Nicarágua? Rússia? Não, na Inglaterra!
Police stand behind a cordon in Birstall near Leeds
Mais de mil manifestantes são presos na… Venezuela? Nicarágua? Rússia? Não, na Inglaterra!
Police stand behind a cordon in Birstall near Leeds

Na última segunda-feira (22), data em que é celebrado o “dia da Terra”, mais de mil manifestantes foram presos pela Polícia inglesa. Os manifestantes, que se encontravam, em sua maioria, em Londres, estavam protestando contra a política da União Europeia em relação ao Meio Ambiente.

A manifestação dos ingleses era pacífica, de modo que os próprios manifestantes nomearam o evento como uma grande demonstração de “desobediência civil não-violenta”. As ações durante o protesto consistiam em fazer coisas como sentar no meio da pista para bloquear o trânsito.

Contrastando com o caráter não violento do movimento, o Estado inglês agiu com a mais brutal repressão: mais de mil pessoas foram presas pelo simples fato de estarem exercendo um direito democrático, que é o da liberdade de expressão. Qualquer país que trate seu povo dessa maneira não pode querer ter para si o título de democrata.

A repressão da Polícia inglesa aos manifestantes se torna ainda mais absurda quando observada a repercussão que a imprensa burguesa deu ao caso. Os grandes veículos de imprensa, que se dizem porta-vozes da democracia, não denunciaram, em nenhum momento, que as prisões não são aceitáveis em um país democrático.

A mesma imprensa que se cala em relação à Inglaterra, por outro lado, vem fazendo uma suja campanha contra os governos nacionalistas da América Latina e da Rússia. Se um único elemento de extrema-direita é preso porque está conspirando contra o governo venezuelano, logo o cinismo da imprensa capitalista acusa o governo de ditador. Já a Inglaterra, que prendeu mil pessoas, não só é considerada pela imprensa como um país democrático, como também se arroga no direito de determinar quem são e quem não são os países democráticos, quem respeita e quem não respeita os direitos humanos.

A maior e mais cruel ditadura que há é a dos capitalistas dos países imperialistas sobre a população de todo o mundo. Por isso, é necessário denunciar a servidão absoluta da imprensa burguesa aos interesses do imperialismo e lutar para que os povos explorados decidam os rumos do próprio país.