desemprego no país
a taxa de desemprego no último trimestre chegou a 11,2%, porem, o trabalho informal/subemprego é de 41,1%, o que representa 52,3%, o Brasil tem somente 47,7% registrados
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
carteira de trabbalho 1 - 27-12-2019
Carteira de trabalho - fotos publicas.com |

Conforme informações do Departamento Intersindical de Estatística e estudos Sócioeconômicos através de dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), 38,833 milhões ou 41,1% das pessoas em idade ativa ainda encontram-se na informalidade.

Juntando esses dados com o levantamento apresentado pelo Instituto brasileiro de Geografia e Estatísticas, que no último trimestre apresentou uma taxa de desemprego de 11,2% no país, mesmo se abstrairmos como verdadeiros esses números, uma vez que, ao deparar com outros números fantasiosos como a inflação, onde tudo sobe, ou seja, produtos e serviços, por exemplo, tais como: Luz, gasolina, alimentos de uma forma geral, como a carne que seu preço foi elevado a mais de 50%, etc., ou mesmo o gás de cozinha seu preço, nos últimos três meses ultrapassou os 10% e vários outros, enquanto a inflação sempre tende a zero, ao depararmos com tais situações, há de por em dúvida tais números oficiais deste governo golpista do fascista Jair Bolsonaro, principalmente os percentuais de desempregados.

Como o diretor técnico do Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos (Dieese), Clemente Ganz Lúcio, não vê motivos para comemorar a taxa de desemprego no trimestre encerrado em novembro, de 11,2%, divulgada nesta sexta-feira (27) pelo IBGE. O mercado, segundo expectativas colhidas pelo Projeções Broadcast, esperava por uma taxa de 11,4%, que já seria a menor desde junho de 2016.

“Partes destes empregos são informais, partes ilegais por serem assalariados sem carteira. Ou seja, a formalidade é precária, a informalidade cresce e a gente está perdendo densidade industrial, o que significa que esse mercado de trabalho não se sustenta”. (Estadão – 27/12/2019)

 

Mais da metade dos trabalhadores ou estão desempregados ou vivem na informalidade

Somando-se os trabalhadores informais ou subempregados, sem carteira assinada, ou até mesmo os vendedores ambulantes, com suas barraquinhas pelas ruas, dentro de vagões de trens, etc., com os atuais 11,2%, teremos mais da metade, correspondendo 52,3% da população entre subempregado e desempregado, restando apenas 47,7% de trabalhadores com carteira assinada.

Os ataques aos trabalhadores pelo governo fascista do Bolsonaro e seus pares, como o ministro da economia, o golpista Paulo Guedes, entre outros, Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT), aumentando a jornada de trabalho, enfim, impondo ao conjunto dos trabalhadores um regime de escravidão, os patrões beneficiam com a situação e, ao mesmo tempo mantem um exército de desocupados, para assim ir reduzindo os salários cada vez mais.

Conforme o diretor do Dieese, à medida que essa situação vai se aprofundando, mais pessoas da família terão que compor o salário de uma única pessoa, ou seja, serão necessárias três pessoas para recompor o salário de um único trabalhador.

Desta forma, com a retirada, cada vez mais dos encargos trabalhistas que os patrões tinham que pagar, com a destruição, pelo governo golpista dos direitos dos trabalhadores, aumenta o lucro dos patrões, enquanto a força de trabalho dos operários serão de verdadeiros escravos que, ficarão na cada vez mais na miséria.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas