Sucateamento da saúde
É preciso testagem em massa entre os trabalhadores, EPIs adequados e treinamento para o manejo correto desses equipamentos
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
safe_image
Trabalhadores da saúde | Foto: Reprodução

O sucateamento da saúde no estado de São Paulo é latente, visto o aumento exponencial nos últimos dois meses da contaminação do Covid-19 entre os trabalhadores e as trabalhadoras da saúde, além do processo de privatização das unidades de saúde. A cidade de Campinas, que possui cerca de 20 mil trabalhadores na área de Saúde nas redes privada e pública, teve 2.575 casos confirmados de coronavírus e 8 mortes trabalhadores de saúde desde o início da pandemia. Neste momento, 111 casos suspeitos entre os funcionários da Saúde estão sendo investigados.

O diretor de Saúde do Sindicato dos Servidores, Luciano Santos, disse que a entidade tem exigido testagem em massa entre os trabalhadores, além dos EPIs – equipamentos de segurança. “Não apenas ter quantidade suficiente para todos, mas que tenham qualidade. Também pedimos para que haja treinamento para o manejo correto desses equipamentos”, explicou ele. “Queremos que a prefeitura abra para todo trabalhador infectado com a Covid-19 uma comunicação de acidente de trabalho para ser caracterizado como doença ocupacional”, ressaltou ele, explicando que essas e outras demandas foram enviadas ao Ministério Público do Trabalho.

De acordo com os dados publicados pelo Sindicado dos Trabalhadores da Saúde – Sinsaúde Campinas e Região, a testagem em massa em profissionais da saúde apontou que 15% dos trabalhadores foram infectados com coronavírus. Esse grupo é o que está mais vulnerável à contaminação pela Covid-19 por atuar na linha de frente no combate à pandemia.

O estado de São Paulo tem processo de privatização dos equipamentos públicos de saúde municipais e estaduais mais avançado do país. De acordo com o Sindicato dos Médicos de São Paulo, terceirização está sendo feita sem debate com a população, com os trabalhadores das unidades e com os conselhos gestores.

No Brasil, a cada minuto um profissional de saúde é infectado pelo novo coronavírus. São 258.190 trabalhadores com a Covid-19, segundo dados do Ministério da Saúde. Os profissionais mais atingidos são técnicos de enfermagem, com 88.898 casos, seguidos enfermeiros (37.689 confirmações) e médicos (27.767). Foram contaminados ainda 12.545 agentes de saúde e 11.097 recepcionistas de unidades de saúde. Além disso, o país registrou 226 mortes – 87 técnicos e auxiliares de enfermagem, 49 médicos e 36 enfermeiros.

Esses dados por si só já são alarmantes, contudo, a realidade pode ser pior visto as manobras que o presidente ilegítimo e os governadores tem feito para “maquiar os dados”. As subnotificações, a baixíssima testagem, mesmo entre os trabalhadores da saúde, ao lado da falta de EPIs adequados. Fatos que confirmam a total ausência de políticas públicas dos estados e do governo federal para o enfrentamento da pandemia do coronavírus. Como delatam, não só a omissão, mas também o dolo ao promover ações criminosas contra os trabalhadores da saúde e todo o povo brasileiro.

Para combater o genocídio provocado pelo Estado, o Partido da Causa Operária apresenta como proposta o aumento imediato das verbas para saúde; testes para toda população; aumento das instalações e equipamentos de saúde; contratação imediata de todo pessoal da saúde necessário para enfrentar a crise; medidas de isolamento dos doentes; distribuição gratuita de máscaras, luvas, álcool, água, sabão e remédios. São propostas básicas que deveriam ter sido adotadas no início da pandemia.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Relacionadas