Política criminosa
A política de Bolsonaro, orientada pela burguesia e pelo imperialismo, se revela um verdadeiro genocídio de Estado que se impõe contra a população
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
bolsonaro
O presidente genocida | Foto: reprodução

Nesse mês o Brasil chegou ao lastimável número de 100.000 pessoas mortas por coronavírus, segundo dados oficiais. Este mês de agosto também está sendo marcado por números acima de mil pessoas mortas diariamente e terríveis 3 milhões de casos confirmados. É uma crise gigantesca. Mas esses números não são apenas cifras de um vírus de potencial pandêmico, já que afeta violentamente as populações de todo globo terrestre. Esse resultado é diretamente responsabilidade do poder público, em especial do presidente fraudulento Bolsonaro que sempre negou a catástrofe da pandemia no País. Essa negligência é, na verdade, uma política de genocídio de Estado. 

A burguesia de conjunto, na verdade, nunca teve uma política efetiva de combate ao coronavírus no País. A única coisa oferecida a população foi uma demagogia chamada “Fique em casa”, uma campanha inócua que pode até ter salvado a vida de algumas pessoas da classe média, mas levou inúmeras vidas da classe trabalhadora. Afinal, para os trabalhadores nunca houve de fato um direito ao isolamento social. Essa cegueira levou a esquerda pequeno-burguesa a ficar totalmente a reboque da política genocida da burguesia e seus governos trogloditas como o de Doria, Zema e Witzel. 

A indústria, onde a maioria dos trabalhadores da cidade trabalharam, continuaram funcionando em postos de trabalho aglomerados, como de costume. Em algumas cidades a única coisa que fechou foi o comércio central, onde a própria pequena-burguesia faz suas compras, o que passava uma impressão falsa a classe média de que os governos direitistas estavam fazendo um trabalho firme e cientifico. Nada mais fraudulento. 

Esses governadores sempre seguiram a linha política do chefe-maior do Estado burguês brasileiro, o fascista Jair Bolsonaro. Não houve, em momento algum, um verdadeiro isolamento social. O que houve foi uma grande falsificação. Até hoje o Brasil é um país que sofre da falta de hospitais de campanha, que nunca saem nos estados onde se propuseram a fazer, e os hospitais que foram construídos não funcionaram na sua integridade e estão sendo sistematicamente fechados na medida em que a pandemia avança.  

Não há nenhuma organização de controle da expansão do vírus, não há fiscalização de casa em casa e não há o mínimo para termos uma noção real da pandemia no país: testes em massa. Se não há testes, que é o mínimo, haverá mais o quê? 

Todo esse verdadeiro descaso acontece em meio a uma política de reabertura total da economia. Inclusive uma reabertura das escolas, que vem acontecendo em dezenas de estados, com data marcada para acontecer e já voltou em Manaus. Isso combinado com a total negligência é um regime político genocida, e regimes e presidentes genocidas devem ser derrubados. Para isso, é necessário que as organizações dos trabalhadores e do campo convoquem imediatamente uma Assembleia Popular para tirar um programa de lutas para combater esse genocídio com a força dos trabalhadores, para barrar esse massacre gigantesco da população.   

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas