Genocídio Planejado
Volta às aulas arriscando milhões de vida é a politica da burguesia para a juventude, morra quem morrer
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Movimentação da região da 25 de Março no centro de São Paulo após a reabertura do comércio na cidade
Retorno presencial as aulas na pandemia é matança organizada | Foto: Reprodução

Depois de seis meses com as aulas presenciais suspensas devido a pandemia de Covid-19, alunos da educação infantil das escolas particulares do Distrito Federal retornaram às salas de aula nesta segunda-feira (21/9). Segundo estatísticas do momento, aproximadamente 25% das 570 escolas particulares retornaram.

Quanto ao número de alunos, de acordo com o levantamento feito, aproximadamente um terço foi às aulas. Mas este dado não é exatamente confiável, pois foi dito pelo Presidência do Sindicato dos Estabelecimentos Particulares de Ensino do Distrito Federal (Sinepe/DF), um setor interessado, pra não dizer desesperado para o retorno presencial do ensino.

O presidente do sindicato afirmou ainda que o número de alunos que compareceram no primeiro dia atendeu as expectativas. Claro que ele diz isso, pois é um impulsionador das reaberturas no DF, afinal de contas, esta é a um política genocida empreendida pelo governador Ibaneis e apoiado pela burguesia.

Em audiência pública feita em 24 de agosto com representantes do Sinepe/DF e o MPT, ficou decidido que a educação infantil seria a primeira a testar o retorno presencial, em 21 de setembro.Posteriormente, em 19 de outubro, retornam os alunos do ensino fundamental 2, e, por último, o ensino médio e profissionalizante, em 26 do mesmo mês.

É através de uma intensa campanha de demagogia e lorota, inclusive apoiado pela própria imprensa burguesa, o PIG (partido da imprensa golpista), em que estes afirmam que o retorno será ”seguindo protocolos”, ”cumprindo exigências de segurança”, etc. – fica evidente o desespero pela política de reabertura, como já dito antes por um direitista genocida porém sincero, morra quem morrer.

Finalmente, já existe uma pesquisa afirmando que 75% da população é contra essa medida sanguinária dos capitalistas. Em que pese as ressalvas necessárias ao se deparar com pesquisas sobre as quais o controle dos estudantes é nulo, uma insatisfação generalizada.

Mesmo assim, essa situação só pode se reverter através de uma ampla convocação por mobilizações estudantis, junto de pais, professores, funcionários e técnicos pela suspensão do calendário acadêmico. Até que as condições de segurança sanitária sejam estabelecidas, não se pode aceitar este tipo de ameaça pelo capricho, o interesse mesquinho da burguesia que em nada se assemelha ao da população, especialmente dos estudantes e seus familiares.

Volta às aulas só depois da pandemia e com vacina.

Dizer não ao genocídio!

 

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas