Ainda é pouco
O grande alarde feito pela imprensa burguesa acerca do “recorde de candidatos” nas próximas eleições municipais está inserido numa campanha demagógica e antidemocrática da direita.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Brasilia DF 15 07 2020- O presidente doTSE Luiz Roberto Barroso veta biometria nas  proximas eleições municipais por causa da  da pandemia do Covid-19 mas a dicisão precisa precisa serconsultada  por outros ministros do tribunal foto Roberto Jaime /TSE
Quanto menor a participação, menos democrático é o processo eleitoral. | Foto: Roberto Jaime/TSE/Fotos Públicas

Mesmo tendo os recursos necessários para controlar rigidamente os sistemas políticos, a burguesia procura sempre que possível aprofundar o caráter antidemocrático dos parlamentos. Isso porque não consegue controlar totalmente os processos eleitorais, em especial nos períodos de crise econômica e política.

Ao lado da demagógica campanha anticorrupção, levada a cabo justamente por elementos corruptos, existe a campanha genérica contra a política, que entre outros pontos defende a redução dos parlamentos. Não menos demagógica, essa campanha costuma comparar os salários de parlamentares e professores para justificar um ataque à representatividade política ( engraçado que nunca propõem simplesmente aumentar os salários dos professores e as verbas da educação pública, por exemplo).

Não se trata aqui de enfeitar a realidade, a “democracia” no sistema capitalista não representa o poder da maioria. Mesmo assim, quanto maiores os parlamentos mais difícil fica para a burguesia o seu controle. São mais setores a serem considerados, inclusive nos acordos de bastidores. Torna as operações mais complexas.

Por isso mesmo, em geral esse tipo de demagogia é levada a cabo por grupos de direita e extrema direita. A Itália, que após a queda de Mussolini manteve todo o aparato judicial do fascismo intacto, vai reduzir em um terço o número de parlamentares.

O partido de extrema-direita Movimento 5 Estrelas cresceu em meio à falência política dos partidos tradicionais e tem uma das maiores bancadas do parlamento italiano. Oscilando entre políticas anti-imigração e pautas sociais da esquerda, o partido propôs um referendo para a brusca redução da representação no parlamento. Em meio ao descrédito do regime político entre a população, 69% dos eleitores aprovou a medida.

O fato de que os impulsionadores desse tipo de política são elementos da extrema-direita já dá uma indicação clara de que não se trata de uma pauta democrática. A redução do número de parlamentares facilita o controle da burguesia, que precisa lidar com menos representantes eleitos. A redução nas candidaturas também atuaria no mesmo sentido.

O maior número de candidaturas em está relacionado a uma maior participação no processo eleitoral, sendo impulsionado este ano pelas mudanças nas regras. A proibição das coligações proporcionais impede que partidos se unam para eleger vereadores e cada partido precisa atingir o quociente eleitoral.

Um processo eleitoral realmente democrático deveria ser o mais amplo possível, com grande participação popular, com os recursos iguais para cada candidato e mesmo espaço nos meios de comunicação. Candidaturas individuais, criação de partido sem qualquer intervenção do Estado, dentre outros.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas