Frente ampla para o fracasso
Para se “opor ao Bolsonaro, a esquerda se alia ao mesmo que rejeitou mais de 54 processos de impeachment ao presidente golpista. Apoiar Maia é fortalecer o bolsonarismo.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
O presidente eleito, Jair Bolsonaro, acompanha o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia até o carro no CCBB.
Aliados dos bem pensantes da esquerda pequeno burguesa | Foto: Reprodução

A luta política não está fora do regime político. Aqueles que encaminham toda miséria e repressão sobre o povo são os artífices deste regime. O STF, o Congresso, a Câmara, e todas as instituições que sustentam tal exploração, bem como todas as pessoas que as dirigem, os golpistas lacaios da burguesia, são os responsáveis pela política de horror e destruição no País. Esses, precisam ser profundamente repudiados. Entretanto, a esquerda segue sem ser esquerda, e prefere se aliar à direita e tentar garantir a vitória dos principais inimigos da classe trabalhadora, como é o caso de seu apoio ao candidato de Rodrigo Maia (DEM-RJ) na Câmara dos Deputados. 

Não é nenhuma novidade que, para abandonar todos os seus militantes e qualquer programa que pode ser considerado de esquerda, os bem pensantes da esquerda pequeno burguesa utilizam-se do argumento de que é necessário se unir aos que colocaram Bolsonaro no poder, para derrubar a mesma figura. Assim foi na luta pelo Fora Bolsonaro, nas eleições municipais, e agora a demonstração perfeita nas eleições da Câmara.

Nesse caso, ficou ainda mais evidente que a política adotada pela esquerda é completamente uma farsa. Bolsonaro realmente declarou apoio a outro candidato da direita, Arthur Lira, do PP. Entretanto, mesmo segurando o semblante da luta contra o bolsonarismo ao apoiar Maia, diversos setores da esquerda também buscaram se aliar com Lira. Finalmente, o objetivo nunca foi lutar, ou pelo menos fazer uma oposição à extrema direita golpista e seu aliado Bolsonaro, e sim, buscar desesperadamente por um agrado dos setores fundamentais do regime político. 

O deputado Rodrigo Maia, que agora é considerado o “menos pior” pela esquerda oportunista, foi um dos principais pilares de sustentação do bolsonarismo, e pior, foi muitas vezes a garantia de que Bolsonaro fosse o pior possível para o povo. Um bom exemplo, são os 56 pedidos de impeachment ao atual presidente, sobre os quais o próprio Maia está sentado, impedindo a sua tramitação na Casa que ele preside. Vários deles há mais de 500 dias e muitos dos quais endossados pela esquerda.

Sobre eles o líder do bloco integrado pela esquerda que agora encena uma “oposição” ao governo declarou que:

“Não é hora de pensar em impeachment. É preciso união para salvar vida a empregos. O presidente da Câmara decide pelo sim ou pelo não. Tenho que ter muito cuidado, isenção e equilíbrio.”

Maia, com o apoio do centrão, impede a tramitação do impeachment e busca dar andamento a que interessa aos banqueiros, Paulo Guedes e ao próprio Bolsonaro, como fez ao longo dos últimos 4,5 anos à frente da Câmara.

Maia também é um dos mais fiéis adeptos ao teto de gastos do Michel Temer, no governo de quem liderou a aprovação da famigerada reforma trabalhista. Foi também, segundo o próprio Bolsonaro o “general” da “reforma” da Previdência. Vale colocar, que o mesmo admitiu de público que votou em Bolsonaro em 2018, mesmo sabendo que tipo de deputado o ex-capitão havia sido durante anos na Câmara; obviamente, centralizado pela política da direita que buscava fraudar as eleições, impedindo a vitória da esquerda.

Mas a esquerda, inclusive o próprio PT, sacrifica suas forças políticas e declara apoio ao candidato que Maia escolher para à presidência da Câmara, usando como pretexto que se trata de defender o “mal menor”.

O DEM, PSDB, MDB, PSL e os outros partidos da direita que ele lidera no Bloco dos 11, são o mal maior, e toda frente ampla, que apoia cinicamente esse setores para ganhar algum benefício, acabam servindo – de fato – ao objetivo de confundir e desarmar a classe trabalhadora e abrir espaço para um candidato da burguesia na Câmara e na presidência do País.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas