Eleições na Câmara
Como de costume, os partidários da frente ampla não demonstram qualquer coerência; o ziguezague da esquerda pequeno-burguesa é o reflexo da ausência de um programa
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Rodrigo Maia - Câmara
Rodrigo Maia | Foto: Reprodução

Na última semana, a imprensa burguesa anunciou, com muitas pompas, a formação de um bloco de onze partidos em apoio à candidatura indicada por Rodrigo Maia (DEM) na Câmara dos Deputados. Entre os integrantes do bloco, estão o PT e o PCdoB, dois dos três partidos da esquerda parlamentar, além do PDT e do PSB, partidos da burguesia que se apresentam como progressistas, embora não o sejam. Segundo matéria publicada pelo portal UOL no dia 18 de dezembro, o PSOL, único partido da esquerda a lançar candidato próprio, já deu como certo o apoio de Rodrigo Maia no segundo turno.

Na carta assinada pelos representantes do bloco, os partidos, que vão desde as legendas de esquerda citadas até partidos como o DEM, o PSDB e o PSL, se apresentam como “a fortaleza da democracia no Brasil“. Em carta compartilhada pelo próprio Rodrigo Maia nas redes, os partidos declaram que:

Porquanto alguns buscam corroer e lutam para fechar nossas instituições, nós estamos aqui para valorizá-las. Enquanto uns cultivam o sonho torpe do autoritarismo, nós fazemos a vigília da liberdade. Enquanto uns se encontram nas trevas, nós celebramos a luz“.

E, depois de toda a enrolação com retoques poéticos de péssima qualidade, concluem:

Esta não é uma eleição entre candidato A ou candidato B. Esta é a eleição entre ser livre ou subserviente; ser fiel à democracia ou ser aliado do autoritarismo; ser parceiro da ciência ou ser conivente com o negacionismo; ser fiel aos fatos ou ser devoto de fake news“.

É ridículo. Uma verdadeira piada. Não existe, afinal, uma eleição que não seja entre A ou B. Embora a esquerda pequeno-burguesa tenha desenvolvido o costume recente de anunciar que um candidato foi derrotado, mas sem anunciar que um determinado outro candidato tenha saído vencedor, não existe disputa em que apenas um lado perde. A eleição, como qualquer outra, é entre o candidato do presidente ilegítimo Bolsonaro, Arthur Lira (PP), e o candidato apoiado por Rodrigo Maia (DEM). Isto é: a disputa entre o bolsonarismo e o grupo político controlado por Rodrigo Maia, o PSDB e o MDB.

O “bloco dos 11”, embora tente disfarçar, está apoiando deliberadamente a política de Rodrigo Maia. E é justamente por isso que a carta se mostra ridícula: Maia, o PSDB e o MDB não são inimigos do autoritarismo, do negacionismo ou das “fake news”. A direita nacional aprovou uma quantidade absurda de ataques contra os direitos democráticos da população no último período. Somente em São Paulo, a Polícia Militar matou mais que qualquer outra organização criminosa. Tampouco é a direita inimiga do “negacionismo”: o PSDB, o DEM e o MDB, por meio de seus governadores, “negaram” a gravidade da pandemia a todo momento, de tal modo que abriram a economia no pior momento da epidemia. Recentemente, João Doria declarou que iria abrir as escolas independentemente de o número de casos aumentar. Por fim, falar em notícias falsas é um verdadeiro deboche: essa mesma direita é apoiada e financia toda a imprensa golpista, que é a maior fábrica de mentiras do País.

Se o apoio à direita nacional já é ridículo em si, para qualquer um que acompanhe a política nacional, esse apoio se revela como uma contradição total com a própria política recente da esquerda nacional, quando lembrados alguns discursos. Há menos de quatro meses, a ex-presidenta Dilma Rousseff (PT) criticou corretamente Rodrigo Maia:

Não surpreendem as declarações do presidente da Câmara, deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ) reiterando sua posição favorável ao meu impeachment e descartando a possibilidade de abrir um processo de afastamento de Jair Bolsonaro da Presidência da República. O deputado não tem compromisso com a democracia ou com o povo brasileiro. Seu compromisso é com a manutenção da atual política econômica, responsável pelo aumento da desigualdade social e com a agenda neoliberal nefasta imposta pelo ministro Paulo Guedes“.

Por que essa mudança tão repentina? Teria a esquerda revisto os seus princípios? Estaria a esquerda, na época em que criticou Rodrigo Maia, expondo-o como parte central do regime político golpista, equivocada? Evidentemente, não é essa a questão.

A mudança na política está diretamente relacionada com o avanço do golpe de Estado. Na medida em que os ataques se aprofundam e a polarização aumenta, o regime político pressiona os setores mais pequeno-burgueses da esquerda nacional a acompanharem sua evolução à direita. Afinal, se o regime político vai cada vez mais para a direita, a única maneira de a esquerda pequeno-burguesa manterem os seus privilégios é por meio de uma política cada vez mais direitista.

Essa política cada vez mais direitista, contudo, não leva a qualquer benefício para a classe operária. O caso da Câmara dos Deputados deixa isso muito evidente: a esquerda acabou se anulando completamente como força política, deixando todo o protagonismo da luta contra o governo Bolsonaro nas mãos da direita nacional. E isso não se dá apenas porque a Câmara dos Deputados é composta majoritariamente por direitistas: nas eleições, a esquerda teve a mesma política. Em vez de lutar em defesa de seu programa, de denunciar o regime, que é uma verdadeira ditadura, dedicou-se a defender o programa da direita — como o caso da repressão —, apoiar abertamente a direita — como no caso de Eduardo Paes (DEM) — e lançar candidatos de direita — como no caso do latifundiário do PSOL no Mato Grosso.

O papel da esquerda deve ser o exato oposto: o de mostrar aos trabalhadores quem são os seus inimigos para, por meio de suas próprias forças, derrubarem o regime político vigente. Na contramão da adaptação ao regime, é preciso mobilizar os trabalhadores pelo Fora Bolsonaro e pela candidatura do ex-presidente Lula.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas