Internacional
Maduro expõe manipulação feita na Espanha para atacar a Venezuela
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
nicolas-maduro
Nicolás Maduro | Foto: Reprodução

De acordo com o chefe do Executivo do país sul-americano, Leopoldo López, opositor venezuelano, começou a realizar “uma guerra por baixo” contra a “paz e a democracia venezuelana”.

A Espanha é agora o centro da conspiração contra Caracas após a chegada ao país europeu do político da oposição venezuelano, Leopoldo López, disse na quinta-feira (29) o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro.

“A Espanha se tornou o centro da conspiração, Madri se tornou o centro da conspiração contra a paz e a democracia venezuelana, isto é o que eu denuncio”, declarou Maduro no canal estatal Venezolana de Televisión.

Maduro disse durante seu discurso que espera que o governo espanhol tome medidas e não permita que o país se torne o eixo das conspirações de López contra ele.

“Tenho que denunciá-lo publicamente, tenho informações de uma primeira fonte, que Leopoldo López chegou à Espanha e convocou uma reunião de seus chefes políticos que estão no exterior, e lhes disse que vai fazer um discurso convocando eleições, mas que por baixo vem a guerra, que isto se resolve é com uma guerra por baixo, da Espanha”, afirmou.

O chefe de Estado acrescentou que seu país carece de uma “oposição política do direito democrático, pacífico e político”.

No sábado (24) soube-se que López escapou da Venezuela, onde havia sido condenado pela morte de 43 pessoas nas manifestações antigovernamentais de 2014.

Em 2019, o líder da oposição escapou de sua casa onde estava sob prisão domiciliar e se refugiou na residência do embaixador espanhol, Jesús Silva, que foi acusado pelo governo venezuelano de conspirar contra Caracas.

Embaixador à Venezuela

Em meio às tensões diplomáticas, Madri afirmou que não nomeará um novo embaixador na Venezuela para substituir o atual, Jesús Silva, que deixará seu cargo em 8 de novembro. A mais alta representação diplomática será ocupada por um encarregado de negócios.

“O substituto do sr. Silva será destacado como encarregado de negócios porque o reconhecimento dado às autoridades atuais não está em condições de apresentar formalmente uma petição para uma acreditação”, anunciou a secretária de Estado das Relações Exteriores e da América Latina, Cristina Gallach.

Em uma reunião com o Comitê de Relações Exteriores do Congresso da Espanha, Gallach explicou que a decisão de não nomear um novo embaixador se deve ao fato de que a Espanha não considera “que as últimas eleições presidenciais de 2018 na Venezuela foram justas e transparentes”.

“É por isso que adotamos este formulário, que é uma decisão acordada com os parceiros da União Europeia, mas que de forma alguma o impedirá de desempenhar plenamente suas funções tal como fez o embaixador Silva”, acrescentou.

Segundo publicação no portal Vox Populi, é previsto que o enviado a Caracas como encarregado de negócios seja o atual embaixador em Cuba, Juan Fernández Trigo, cujo nome é apontado há semanas como possível substituto do atual embaixador.

Tanto a Venezuela como Espanha se acusaram mutuamente de violar a Convenção de Viena sobre Relações Diplomáticas nos últimos dias.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas