Ditadura imperialista mundial
Maduro também lembrou que, em declarações públicas, porta-vozes do governo dos EUA e representantes da extrema direita disseram que pretendem matá-lo antes das eleições.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
maduro
Presidente eleito por 9 milhões de votos | Foto: reprodução

O presidente venezuelano, Nicolás Maduro, denunciou nesta terça-feira (18) que a ditadura mundial dos Estados Unidos pretendem boicotar as eleições em seu país mais uma vez. A data está marcada para dia 06 de dezembro, onde a Assembleia Nacional será renovada, em desacato desde 2016, quando foi tomada pelos golpistas.

Os golpistas, organizados em 27 partidos da direita, dentre eles o de Juan Gauidó, anunciaram o boicote. Porém, 107 partidos vão participar deste pleito democrático, controlado pela maioria esmagadora do povo venezuelano e, lembrando também, que Maduro foi eleito por mais de 9 milhões de votos e mesmo assim os EUA querem matá-lo.

Em uma videoconferência com a liderança nacional do Partido Socialista Unido da Venezuela (PSUV), o presidente advertiu: “Estamos enfrentando um boicote global contra as eleições parlamentares constitucionais na Venezuela e devemos enfrentá-lo de frente”. Maduro também lembrou que, em declarações públicas, sem medo algum de esconder sua política genocída, porta-vozes do governo dos Estados Unidos e representantes da extrema direita venezuelana afirmaram que pretendem matar o presidente com ataques explosivos antes de dezembro para evitar as eleições.

Salientou que quando se realizou a eleição da Assembleia Nacional Constituinte (ANC), se tratou também de aplicar essas mesmas estratégias, mas, frisou, o povo venezuelano saiu com o slogan La Constituent Va, e foi.

‘Ameaças não são válidas aqui, agora são declarações ameaçadoras e explosões. Diante do boicote, temos que sair para combatê-lo ”, denunciou ao povo.

A política de Maduro também vai no sentido de falar ao mundo das vitórias eleitorais da Revolução, que venceu 23 dos 25 processos eleitorais realizados no país, em que a oposição venceu apenas duas, que foram reconhecidas pelo governo. Porém, é preciso que, frente a este cenário, se coloque o problema da expropriação total da burguesia golpista dentro de seu país e não apenas de eleições que colocam em risco sua vida.

Para finalizar, apelou a unidade de todas as forças para atingir a maioria dos assentos no Parlamento e devolver a constitucionalidade daquela entidade, declarada golpista pelo Supremo Tribunal de Justiça, quando tomada pela direita e negando os poderes do Estado.

É preciso armar ainda mais o povo e prepará-los pois a guerra do imperialismo está apenas começando.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas