Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Venezuela's President Nicolas Maduro speaks during a meeting with government officials at the Miraflores Palace in Caracas, Venezuela August 7, 2018. Miraflores Palace/Handout via REUTERS ATTENTION EDITORS - THIS PICTURE WAS PROVIDED BY A THIRD PARTY
|

Caracas, AVN – O presidente da República, Nicolás Maduro, afirmou nesta segunda-feira que seu colega da Colômbia, Iván Duque, é o principal promotor de ameaças contra a Venezuela.

“Iván Duque você é responsável se algum dia, a Colômbia agride militarmente a Venezuela, por sua ambição, egoísmo, por seus ódios contra a Venezuela, por sua imaturidade”, disse o chefe de Estado em transmissão conjunta de rádio e televisão em Los Próceres, em Caracas.

Durante uma cerimônia com a Milícia Bolivariana, o mandatário reiterou a denúncia contra o assessor de Segurança dos Estados Unidos (EUA), John Bolton que, junto a Duque, organizam um plano paramilitar contra a Venezuela.

“Ele pessoalmente dirige a preparação de ações contra a Venezuela. Assim denuncio ao mundo com o apoio, com o financiamento da Casa Branca, de John Bolton, secretário de Segurança Interna dos EUA”, disse.

Maduro explicou que esta nova ameaça é contra a Constituição, a democracia, e a soberania da Venezuela, por isso insto às forças castrense a não baixar a guarda e consolidar a paz na nação.

“Enfrentamos de tudo com somente um objetivo, dar paz à Venezuela, dar felicidade à Venezuela” , destacou o presidente Nicolás Maduro, acrescentando sua disposição de manter boas relações com todos os países.

Na quarta-feira, 12, Maduro revelou um plano, de caráter terrorista e intervencionista, para violentar a democracia e impor um governo ditatorial no país, promovido pelo Conselheiro de Segurança dos EUA.

“Designaram o senhor John Bolton novamente como chefe do plano, do complô para encher a Venezuela de violência e para buscar uma intervenção militar estrangeira, um golpe de Estado, asassinar o presidente e impor o que eles chamam um conselho de governo transitório”, afirmou no Palácio de Miraflores, em Caracas.

Maduro afirmou que John Bolton está orientando o presidente eleito do Brasil, Jair Bolsonaro, a iniciar “provocações militares” no sul da Venezuela, especificamente na fronteira entre os dois países. A execução de tal ação está nas mãos do vice-presidente eleito do Brasil, Hamilton Mourão, que “todos os dias diz que vai invadir a Venezuela” e promove o uso de suas forças militares contra a pátria de Bolívar.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas