Maceió: terreiro de Mãe Vera é atacado pela extrema-direita

whatsapp-image-2019-05-14-at-10.17.18

Na madrugada deste 13 de maio, data em que se celebra os 131 anos da abolição da escravatura no Brasil, a extrema-direita em Maceió, no Estado de Alagoas, atacou covardemente o Terreiro de Candomblé Abaçá de Angola, situado no conjunto Otacílio de Holanda, no bairro Cidade Universitária. Uma clara provocação de tipo racista contra a expressão cultural e religiosa do negro.

A líder do Terreiro, Yalorixá Veronildes Rodrigues, mãe Vera de Oiá, procurou a secretária da Mulher e dos Direitos Humanos para denunciar o crime de intolerância religiosa. Segundo um membro casa de mãe Vera de Oiá, que dormia no Terreiro, naquela noite, alguém bateu na porta do “barracão” por volta das 22 horas, ao sair para atender não encontrou ninguém. No outro dia pela manhã, ao sair, viu o templo de fora completamente destruído.

Supõe-se não ter sido maior da degradação e destruição justamente por haver pessoas no “barracão”; no Terreiro. Esse tipo de ação deve ser relacionado com usurpação do poder pela extrema-direita, via golpe de Estado e fraude eleitoral.

O programa político do Bolsonarismo, assim como os setores sociais que ele representa, é claramente racista, no sentido que são, os golpistas, os sustentáculos, e a extrema-direita, por assim dizer, a vanguarda do sistema de opressão racial contra o negro no Brasil, bem como os maiores difusores, do ponto de vista ideológico, das concepções que visam inferiorizar a cultura do negro, o que é parte fundamental do sistema de opressão racial.

Na medida que esta extrema-direita chega ao poder o ímpeto racista torna-se mais arraigado, é ainda mais estimulado, o que faz os elementos mais direitistas passarem da manifestação passiva do seu racismo para uma prática, uma manifestação violenta do racismo.

A extrema direita e a burguesia golpista de conjunto são os verdadeiros inimigos do povo negro e razão de sua opressão, é fundamental nesse momento a organização para autodefesa dos negros, em comitês contra o golpe, que os negros levantem suas demandas democráticas como parte substantiva do grande movimento para derrubar o governo racista de Bolsonaro, movimento esse que está na ordem do dia e que deve ser resultado da mobilização das mais variadas camadas das massas oprimidas.

Veja abaixo o vídeo gravado que denuncia a ação: