Ataque contra terra indígena
Desde 2017, o povo indígena Memortumré Kanela tenta impedir a abertura ilegal de uma estrada em seu território
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Webp.net-resizeimage
Terra Indígena de Porquinhos, Maranhão | Foto: Ibama

Desde 2017, o povo indígena Memortumré Kanela tenta impedir a abertura ilegal de uma estrada em seu território, localizado nas imediações do município de Fernando Falcão (MA), localizado a 540 km de São Luís (MA). Já existe decisão judicial em favor da demanda dos Memortumré Kanela, porém até o momento o poder público não tomou nenhuma providência para interditar a via e impedir o acesso indevido ao território indígena.

Os Memortumré Kanela tem uma população estimada de 1961 indivíduos (segundo dados do Relatório GT/Funai de 2004), habitam uma região de 100 mil hectares, próximo aos municípios de Barra do Corda e Fernando Falcão, no Maranhão. Pertencem à família linguística Jê e falam o idioma Timbira. Tiveram seu direito territorial aprovado em 2012 e o processo está em fase de passível de contestação na Funai.

Durante a pandemia a situação dos indígenas se agravou, o movimento na via ilegal aumentou, com muitos veículos usando a estrada como atalho para chegar a sede do município de Fernando Falcão, e o risco de contaminação da comunidade por COVID-19 se elevou.

A estrada irregular conecta a MA 272 (Fernando Falcão) à MA 006 (Grajaú). Segundo lideranças indígenas, o fluxo de veículos tem se elevado. No processo na justiça, no entanto, o trânsito é considerado lento. O problema se arrasta há anos: em 2018, a comunidade desfez pontes como protesto pelo atropelamento e desaparecimento de indígenas na região.

Em agosto deste ano, os Memortumré Kanela identificaram que os não indígenas estão reconstruindo as pontes e retomando o uso da estrada. Para permitir a passagem dos veículos, um brejo foi aterrado com cascalho, dentro da terra indígena, e serve de desvio enquanto as pontes ainda estão intransitáveis.

Ainda em agosto, após reunião entre lideranças indígenas e representantes do Conselho Indigenista Missionário (CIMI), em que foi reiterada a continuidade do tráfego e danos ambientais, uma decisão do juiz Federa Ricardo Felipe Rodrigues Macieira, a pedido do Ministério Público Federal (MPF), reiterou em documentos enviados à Fundação Nacional do Índio (Funai) e à Polícia Federal (PF) a urgência de intervenção.

A Polícia Federal divulgou relatório de visita à área em outubro de 2020, onde declara não ter constatado nenhuma evidência das irregularidades denunciadas pelos indígenas e CIMI. Os líderes da comunidade se revoltaram.

“O papel não ficou certo. Cadê ali as informações que a gente passou pra eles? Não tem!”, declarou Marinho Pupkin Canela, representante geral das lideranças do povo.

O que ocorre com a povo Memortumré Kanela é mais um episódio da política de genocídio sistemático dos povos originários que o governo fascista, em conjunto com os latifundiários que o apoiam, promove. É nosso papel denunciar esses ataques e lutar pelo fim do governo de Jair Messias Bolsonaro. Juntem-se ao PCO na campanha Fora Bolsonaro! Lutemos por eleições e um regime verdadeiramente democrático.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas