Menu da Rede

Sobre a calúnia de que o PCO teria feito um acordo com a PM

Eleições 2022

Luta da burguesia é para encontrar quem derrotará o PT

Enquanto o circo da CPI da Covid se arrasta para lugar nenhum, a esquerda fica parada assistindo uma disputa que tem como objetivo apenas definir o candidato da direita em 2022.

Lula não será candidato, nem muito menos eleito, sem o povo nas ruas para garantir isso. – Foto: Ricardo Stuckert/Fotos Públicas.

Publicidade

As contradições internas da burguesia podem e devem ser exploradas, mas é preciso ter uma política própria e independente para impulsionar a luta da classe trabalhadora. Um caminho certo para a derrota é ficar a reboque da direita, como muitos setores da esquerda têm ficado no atual cenário político. Uma hora, se alinham ao autoritarismo do STF, na outra, acenam para o chamado “centrão”, que reúne os setores mais tradicionais da burguesia nacional.

É importante ter clareza sobre o que está em disputa entre setores da burguesia nos embates atuais. Não se trata nem de longe, em uma oposição entre uma burguesia democrática e outra fascista. Bolsonaro é horrível, mas não é tão pior do que os outros capachos do imperialismo dos partidos mais tradicionais da direita. Esses políticos, que procuram se diferenciar do atual e ilegitimo presidente, atuam de forma quase igual ou pior e encobrem sua disposição fascista com discursos mais moderados do que Bolsonaro. Justamente por contar com uma base militante de extrema-direita, ele precisa fazer uso desses discursos mais agressivos. Na prática, porém, muito pouco muda.

O circo da atual CPI da Covid alimenta ilusões apenas para quem deposita suas fichas no setor mais poderoso e longevo da direita. Conforme avança esse processo farsesco, fica cada vez mais evidente que não existe uma disposição firme desse setor em derrubar sumariamente o atual governo. Se trata apenas da tentativa de emplacar um candidato menos problemático. Como ficou claro desde o começo do seu governo, Bolsonaro é uma fonte incessante de crises políticas e tende a desestabilizar o regime político.

Em 2018, os candidatos tradicionais da burguesia, mesmo com todo o dinheiro e tempo de exposição nos monopólios da imprensa, tiveram votação ridícula. Se não conseguirem emplacar ninguém até 2022, eles vão de Bolsonaro de novo. Não podemos ter dúvidas em relação a isso. Ignorar fatos tão recentes parece extravagante demais para a esquerda, mas nunca deixamos de nos surpreender. A esquerda precisa ter claros os seus objetivos políticos e a sua tarefa de impulsionar a luta popular contra o inimigo de classe do povo.

Lula foi impedido de participar na última eleição presidencial e pode ser impedido novamente se a esquerda ficar de braços cruzados. A disputa na burguesia vai definir o candidato que possa derrotar o PT. De preferência, alguém menos escatológico do que Bolsonaro, que aplique com menos turbulência o pacote de maldades da direita para o povo. Definido o representante eleitoral da burguesia, o PT voltará a ser intensamente atacado, pela imprensa, pelo judiciário e por todos os instrumentos de poder da classe dominante.

O abutre Ciro Gomes, que em 2018 apareceu como uma suposta alternativa de esquerda ao PT, mostra agora mais claramente para que veio. Herdeiro político da oligarquia cearense, procurou se apresentar como um candidato “progressista” e “desenvolvimentista”. Só compra quem não conhece. Como a pauta atual da burguesia é definir seu candidato para disputar as eleições no ano que vem contra o PT, Ciro deixa claro que está disposto a representar a burguesia nessa missão.

Assim como na Bolívia e no Chile, recentemente, os resultados eleitorais não vieram de acordos com a burguesia, apesar da tara que a esquerda parlamentar de todo o mundo nutre por esses acordos. Foi o povo mobilizado nas ruas, em duros embates com os órgãos de repressão, que puxou as votações para o polo oposto ao regime político. No Brasil, e em qualquer outro País, o mesmo fator ocupa espaço fundamental na estratégia da esquerda. Enquanto a burguesia escolhe seu candidato, a esquerda precisa garantir o seu.

É preciso garantir a candidatura da liderança mais popular do país nas ruas. Não existe disposição da burguesia, hoje, para deixar que o ex-metalúrgico volte à presidência. Sem mobilização, fica muito fácil utilizar um dos muitos processos contra ele para inviabilizar sua candidatura. Com o povo nas ruas, o jogo complica para a burguesia. E ela não cederá por pouco, é preciso impor a vontade popular, com todas as forças das quais dispusermos.

Não há tempo para ilusões. Enquanto a esquerda torce pelo STF ou pelo congresso, a burguesia prepara mais um ataque contra a esquerda nas eleições. Foi assim em todas as eleições por aqui e 2022 não será diferente.

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

NA COTV

Com milhares nas ruas, Brasil terá frio recorde - Resumo do Dia nº 790 - 26/07/21

610 Visualizações 102 minutos Atrás

Watch Now

SitesPrincipais
24h a serviço dos trabalhadores

DCO

O jornal da classe operária
Sites Especiais
Blogues
Movimentos
Acabar com a escravidão de fato, não só em palavras
Cultura

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.