A luta contra o golpe tomou a forma da defesa de Lula

A luta contra a condenação, a prisão e a perseguição do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva Lula está tomando dimensões inesperadas. São milhões os apoiadores do petista, desde o fim da ditadura militar ou do Fora Collor! que não se vê uma mobilização tão grande quanto a que toma forma em defesa de Lula.

Esta mobilização, diferente das eleições de 2002, não é eleitoral, é política, e não é pessoal, não é apenas uma defesa pessoal de Lula. Para as imensas massas operárias do Brasil, a figura de Lula se tornou uma saída, uma oposição ao golpe que foi dado. A defesa do ex-presidente Lula é a forma que a luta contra o golpe tomou neste momento.

As dezenas de milhares que estavam em Porto Alegre não defendem Lula pelo simples fato de ele ser quem é. O povo vê no metalúrgico um programa político, uma defesa de certas posições, quer ele queira, quer não.

As massas que tomaram as ruas nesses dias 23 e 24 são as mesmas que rejeitam o fim da CLT e a monstruosa reforma da Previdência. São inimigas mortais dessas direita que derrubou Dilma e que está trazendo a fome de volta para o País.

Os trabalhadores que embarcaram para o Sul são os mesmo que pedem o fim da Rede Globo e os mesmo que consideram um escárnio que o povo consiga eleger o presidente da República, com uma ampla maioria, mas que esse presidente não consiga nem um terço do Congresso Nacional.

A defesa de Lula é uma defesa de um programa que foi colocado pelos que estão nas ruas, é nesse momento a forma que a luta contra o golpe tomou.

Foi dito pelo Partido da Causa Operária que a luta contra golpe encontra sua maior capacidade de mobilização na luta política. Não na luta contra as reformas econômicas, mas na luta pelo poder. O movimento em defesa de Lula é o maior de toda a luta contra o golpe, o mais radical, e é uma luta exclusivamente política, em defesa de uma liderança política e de uma perspectiva política.

Por isso os atos dessa semana foram cruciais. A condenação sem provas contra o ex-presidente colocou de maneira incontornável a necessidade de enfrentar a direita. Os grandes atos de massa que ocorreram contra a direita golpista ajudaram a começar a mudar a curva da política nacional, com a possibilidade de o povo tomar a iniciativa no próximo período.