Lula: “Vocês poderão queimar os pneus que vocês tanto queimam”

29793619_2005100829514208_7053004592244274102_n

O ex-presidente Lula apoia manifestações como a que foi realizada em Alfenas/MG, na última sexta-feira. E somente esse nível de mobilização pode libertar o principal representante da população.

A BR-491, assim como outras dezenas de rodovias foram fechadas contra a prisão de Lula no decorrer do dia 06 de abril. Durante a manifestação, fim da tarde dessa sexta-feira, além da rodovia federal, a MG-179 também ficou interditada. A manifestação chegou a atingir cerca de 200 pessoas.

A Frente Brasil Popular participou em peso de atos contra a prisão de Lula durante o último dia 6, na cidade de Alfenas/MG. Estiveram presentes militantes de outras cidades, como Campo do Meio/MG.

A FBP se reuniu às 10h para fechar encaminhamentos da manifestação. Em seguida, entre 12h e 15h, foi realizada panfletagem na rodoviária do centro da cidade. Às 16h, os manifestantes se concentraram com mais centenas de pessoas e seguiram em passeata até o trevo municipal.

No trevo, entrada de Alfenas, os manifestantes atearam fogo em madeira bloqueando a BR-491 e todas as passagens de veículos do entorno ficaram interditadas. A manifestação, depois continuou pela Avenida José Paulino da Costa, e só encerrou após às 19h na praça central, próxima à rodoviária.Cidades próximas como Poços de Caldas e Varginha também realizaram atos com centenas de manifestantes no fim da tarde da mesma sexta-feira.

Em muitos municípios por todo o país manifestações contra a prisão de Lula foram realizadas no mesmo dia. O que demonstra a disposição de luta dos brasileiros para derrotar o golpe. Esses atos tendem a espalhar e se intensificar.

Como já podemos ver pelo que está acontecendo em Curitiba: caravanas não param de chegar, o que ocorreu em São Bernardo do Campo/SP, no sentido de resistência, tende a não só se repetir, mas se radicalizar.

Essas manifestações precisam continuar. Se ocorreram contra a prisão de Lula, com ele preso a situação não só não amenizou para a população, que tem seu principal representante encarcerado, como passou para outro estágio.

O próprio Lula disse, dia 07 de abril, em São Bernardo, antes de sua prisão: “eles têm que saber que vocês são até mais inteligentes do que eu e poderão queimar os pneus que vocês tanto queimam, fazer as passeatas que tanto vocês queiram, fazer ocupações no campo e na cidade. Parecia difícil a ocupação de São Bernardo e amanhã vão receber a notícia de que ganharam o terreno que vocês invadiram”.

Não só podemos, como devemos. O que foi fundamental para colocar Lula na cadeia foi a ameaça dos militares, eles não saíram de cena. Isso significa que contar que a situação mudou e é possível negociar com golpistas a saída de Lula é uma ilusão. É a mesma ilusão de contar votos que poderiam salvar Dilma Rousseff do impeachment, do golpe. O judiciário, no caso, não é eleito, não tem compromisso nenhum com o povo e, por isso, cedem facilmente aos militares.

É preciso entender que grandes e radicais mobilizações, como exemplificou Lula, intimidam os golpistas nessa disputa de força, nessa queda de braço que é a luta política que está colocada.

Só a linguagem da força é entendia pelos golpistas. É preciso colocar nas ruas a força da mobilizações dos explorados e de suas organizações de luta, a única capaz de conquistar a liberdade de Lula e derrotar o golpe.