Derrota do golpe
A decisão do STF contra a prisão em segunda instância evidencia a crise do regime político golpista
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
WhatsApp Image 2019-10-27 at 13.32.55
Ato em Curitiba pela liberdade de Lula. Imagem: Arquivo DCO. |

Por 6 votos a 5 o Supremo Tribunal Federal decidiu na noite dessa quinta-feira derrubar a prisão em segunda instância. Ilegal e absurda a medida estava valendo desde 2016 e foi a ação central que permitiu a atividade criminosa da Lava-Jato para levar o golpe de Estado à frente. Votaram a favor da manutenção da prisão em segunda instância os ministros Luís Roberto Barroso, Alexandre Moraes, Edson Fachin, Carmen Lúcia e Luís Fux. Votaram de acordo com o que estabelece a Constituição os ministros Ricardo Lewandowski, Gilmar Mendes, Celso de Mello, Rosa Weber, Marco Aurélio Mello e o presidente do STF, Dias Toffoli. Com a decisão,  em tese ninguém pode ser preso até seja julgado todos os recursos possíveis. A reconsideração do STF comprova a aberta violação dos direitos constitucionais de milhares de presos no Brasil, em primeiro lugar, pela expressão política, do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

A decisão tem efeito vinculante e é obrigatório o seu cumprimento pelas demais instâncias do Judiciário. A defesa de Lula manifestou-se dizendo que, ainda pela manhã desta sexta-feira, entrará com o pedido de soltura imediata do ex-presidente. É bom lembrar que a decisão do STF atende apenas um requisito que é expresso na Constituição Federal, o direito à presunção de inocência até o trânsito em julgado de uma sentença que, no caso de Lula, foi uma farsa  jurídico-policial aberta, visando a continuidade do golpe de Estado que derrubou a presidenta Dilma Rousseff.

A decisão do STF evidencia uma enorme crise no interior do regime golpista, que se expressa na própria divisão do Tribunal, mas que reflete a crise da própria burguesia, diante do fracasso de um governo que não consegue apresentar uma saída para do País. A economia está em frangalhos mesmo com todo o assalto feito contra os trabalhadores e contra o País, o governo não consegue produzir nem mesmo uma aparência de estabilidade, como ficou evidente no leilão do pré-sal ocorrido na última quarta-feira.

A incapacidade e a inépcia do governo diante de quaisquer problemas estão aprofundando a devastação ambiental como vemos nas queimadas na Amazônia e no Mato Grosso do Sul e o óleo no litoral nordestino.

As brigas intestinas no interior do próprio partido do presidente, passando pelas desavenças entre as diversas alas de extrema-direita, como os atritos dos bolsonaristas com os não menos fascistas governadores Witzel e João Dória e os conflitos que envolvem os altos escalões das Forças Armadas, com a saída de seis militares de postos-chave do governo, mostram, enfim, que a decomposição do regime golpista é uma absoluta realidade.

Na outra ponta da situação política, os golpista vêem cada vez mais a polarização política produzida pelo golpe se acentuar. Mal tomou posse, Bolsonaro já era objeto da revolta popular, expresso inicialmente com o escracho da sua pessoa no carnaval e que vem assumindo uma dimensão cada vez maior em todo o País. Na mesma medida que aumenta a rejeição ao presidente fascista, aumenta o clamor pela liberdade de Lula. É bem fundado o receio que ronda a burguesia de que haja uma grande mobilização popular em torno da liberdade de Lula e pela derrubada de Bolsonaro.

É por isso que o recuo do STF com relação ao ex-presidente Lula deve ser entendido como ele realmente é: uma crise monumental do regime golpista. O movimento operário, os sindicatos, os movimentos populares e estudantis, os partidos e organizações que lutam efetivamente contra o golpe devem aproveitar a situação política para desencadear uma grande ofensiva para varrer do mapa tudo que o golpe produziu nesses últimos anos.

A tarefa imediata de todos aqueles que lutam contra o golpe é colocar Lula fora da cadeia. Caso haja impedimento por parte de setores do Judiciário à liberdade imediata de Lula, ir às ruas!, ocupar Curitiba até garantir a sua liberdade. Caso não haja, organizar imediatamente grandes manifestações pelo País, a começar por Curitiba e São Paulo com a presença de Lula. Com Lula solto, reivindicar o imediato cancelamento de todos os processos fraudulentos contra ele; levantar imediatamente um programa de reivindicações que cancele todas as medidas do golpe de Estado, leve à derrubada do governo Bolsonaro e a convocação de novas eleições com Lula candidato.

O movimento que luta contra o golpe deve ter presente que o momento é de partir para a ofensiva. Os golpistas, a extrema-direita, os militares devem ser colocados em seu devido lugare. Para isso, vamos às ruas para garantir a liberdade de Lula e abrir o caminho para derrotar o golpe de Estado definitivamente.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas