Menu da Rede

São Paulo: vermelho marcou presença em ato por “Fora Bolsonaro”

Eduardo Vasco

Eduardo Vasco

Jornalista especializado em política internacional. Colunista do Diário e do Jornal Causa Operária. Na Causa Operária TV, apresenta o Conexão América Latina às terças-feiras, o Correspondente Internacional às quintas e o podcast O Mundo em 1h, em parceria com a Rádio Causa Operária, às segundas.

A paralisia do sectário

“Lula é um pelego!”. E daí?

Esquerda pequeno-burguesa pseudorrevolucionária encontra mil e uma desculpas para justificar seu imobilismo

Lula é a principal liderança proveniente da classe operária nos últimos 40 anos – Foto: Arquivo PT

Publicidade

É muito curiosa a insistência de alguns companheiros da esquerda em manterem uma posição extremamente sectária sobre Lula.

Há aquele que não apoia sua candidatura porque Lula governou para os capitalistas, como se a situação atual fosse exatamente a de 2002. Mas há aquele que vai além.

Conversando com um sujeito de esquerda, que se diz revolucionário, ele me disse que não concorda com as posições do PCO. Percebi que ele se referia, principalmente, à nossa política de defender a candidatura de Lula à presidência da República. Quando falei que nossa política é a luta por Lula presidente, ele deu um sorriso de deboche. Mas não parou por aí.

O indivíduo em questão se recusou sequer a apoiar o – não digo nem a participar do – Primeiro de Maio que o Partido está organizando na Avenida Paulista. Expliquei a ele que seria o único ato do Dia dos Trabalhadores em todo o País e que o restante da esquerda ficaria em casa, como tem feito há mais de um ano, fazendo um evento virtual. Pior: que, para esse evento, um ato de mentirinha, as chamadas “centrais” convidaram os maiores algozes dos trabalhadores – FHC, Doria, Maia, Arthur Lira, Rodrigo Pacheco, Marina Silva e Ciro Gomes.

Falei que o ato organizado pelo PCO e pelos Comitês de Luta terá a participação de companheiros da base de diversos partidos da esquerda, que terá a participação oficial de outros partidos menores como o POR, que será um ato apenas dos explorados, um Primeiro de Maio vermelho e revolucionário. 

O sujeito não comentou absolutamente nada disso que expus. Não quis debater, expressar e explicar sua posição. Esse é o típico sectário. Tem mesmo receio de debater e de manifestar suas discordâncias abertamente, prefere manter-se isolado sem argumentar por que a opinião contrária à dele estaria errada.

O fato é que nosso ultrarrevolucionário que diz que Lula é um pelego e que, portanto, não apoia ninguém que o defenda, não se mexe para nada. Todos os seres dessa espécie são assim.

Lembro-me de um ato também na Avenida Paulista, na época do golpe. Era uma manifestação de massas, em que Lula estava no palanque. Foi um ato que unificou a maior parte da esquerda. No entanto, quando Lula começou a falar, os militantes do PCB simplesmente se retiraram do ato. Depois, seu principal dirigente justificou a posição ultraesquerdista dizendo que o partido não se juntaria ao reformismo e ao governismo.

Vimos no que deu essa política. E estamos vendo, há muitos e muitos anos, qual é a política seguida por aqueles que têm esse tipo de pensamento: a política de não fazer nada. Sim, o “fique em casa” não foi uma necessidade imposta pela pandemia. A esquerda pequeno-burguesa, seja ela reformista ou ultraesquerdista – leia-se sectária – tem um histórico não tão recente assim de total paralisia diante dos acontecimentos que interessam aos trabalhadores.

Sequer apoiar um ato de Primeiro de Maio independente, classista e organizado por militantes revolucionários sob um pretexto extremamente secundário – o do apoio ou não à candidatura de Lula – é o cúmulo do sectarismo.

É esse tipo de postura que impede a esquerda que se diz revolucionária de entrar em contato com a classe pela qual ela diz lutar.

Nós entendemos isso perfeitamente. Não somos seguidistas para aderir à política de outros setores, como Lula e o PT, mas também não somos sectários a ponto de tratá-los como inimigos. Temos uma política bem definida, forjada em mais de 40 anos de experiência prática e em mais de um século de teoria marxista a qual estudamos com profundidade.

Sabemos muito bem que Lula não é um revolucionário. Sabemos que, pelo contrário, sua política é de colaboração com a burguesia e, no máximo, nos momentos de radicalização, de reforma social. Sempre fomos intensamente críticos à política de Lula, desde o movimento sindical do início dos anos 1980 até o período em que governou o País com medidas mais voltadas a manter a catástrofe neoliberal do que a produzir um bem-estar social.

Entretanto, temos total consciência de que essas profundas divergências são secundárias na etapa atual. E que é possível fazer alianças táticas sem aderir ao seu programa – é possível lutar juntos mantendo as críticas e com uma política independente.

Porque entendemos que Lula é a manifestação eleitoral da polarização política que tende a radicalizar a luta dos trabalhadores. Em um momento no qual a esquerda carece de lideranças populares oriundas da classe operária, e no qual a esquerda procura colocar todo o tipo de trava na mobilização popular, Lula se diferencia. Não exatamente por sua posição diante dos trabalhadores, mas pela posição dos trabalhadores diante de Lula. São eles que o pressionam, não o contrário.

Em um cenário no qual 400 mil trabalhadores morreram vitimados pela direita e sua política genocida de possibilitar a propagação do coronavírus ao destruir o sistema de saúde e os direitos econômicos da população; em um cenário em que 120 milhões de brasileiros estão passando fome; em um cenário que o povo detesta cada vez mais Bolsonaro e toda a direita de conjunto, a alternativa que aparece aos olhos da classe operária é Lula.

Lula é o reflexo da atual etapa no desenvolvimento da consciência de classe dos trabalhadores. Ele é reflexo de uma conjuntura política na qual o velho despenca gradualmente mas o novo ainda encontra dificuldades para emergir.

O golpe e a política imperialista representam o velho, enquanto a revolução proletária representa o novo. A classe operária precisa subir a escada para alcançar um nível revolucionário de consciência política. Lula representa um dos degraus dessa escada.

Engana-se quem pensa que os trabalhadores são uma massa de manobra que é passivamente manipulável pelos reformistas. Isso é subestimar a classe operária. Ela é uma classe forjada sobretudo na luta, nas batalhas do dia a dia. Em muitas situações os trabalhadores evoluíram rapidamente de uma posição ingênua, crente em reformas, para uma posição revolucionária. 

A Revolução Russa de 1905 começou com um protesto de massas liderado por padres ortodoxos que imploravam ao “paizinho” Nicolau II, com imagens do czar como se fosse um santo, para que ele mitigasse o sofrimento do povo. O movimento evoluiu tão radicalmente que foram criados os primeiros sovietes de operários da Rússia e o czar teve de conceder reformas sociais e políticas sem precedentes. Doze anos depois, os bolcheviques tomavam o poder e iniciavam a construção do primeiro Estado Operário da história.

Se Lênin e Trótski não tivessem participado ativamente desse movimento, buscando liderá-lo com sua política independente, desde o início, possivelmente a revolução teria sido abortada no meio do caminho. Se tivessem tido uma posição sectária como a de nossos super revolucionários de hoje, talvez tivéssemos de esperar alguns anos mais, ou décadas, ou talvez nunca teríamos visto brotar o socialismo.

Somos discípulos de Lênin e Trótski e não iremos desperdiçar seus ensinamentos.

É preciso estar junto das massas para liderá-las.

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

SitesPrincipais
24h a serviço dos trabalhadores

DCO

O jornal da classe operária
Sites Especiais
Blogues
Movimentos
Acabar com a escravidão de fato, não só em palavras
Cultura

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.