Lula ou nada!
Lula se prontifica a ser candidato, é necessário mobilizar os trabalhadores!
6 Conferencia Nacional do PT que elegeu a senadora Gleisi Hoffmann como a nova presidente do Partido dos Trabalhadores (PT). Gleisi teve o apoio do Lula durante a conferência. Foto: Sérgio Lima/PODER 360
Lula em 2022, contra o regime golpista | Sérgio Lima
6 Conferencia Nacional do PT que elegeu a senadora Gleisi Hoffmann como a nova presidente do Partido dos Trabalhadores (PT). Gleisi teve o apoio do Lula durante a conferência. Foto: Sérgio Lima/PODER 360
Lula em 2022, contra o regime golpista | Sérgio Lima

Em entrevista ao jornalista Kennedy Alencar, do portal UOL, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, declarou estar à disposição de ser candidato para derrotar Jair Bolsonaro.

“Se for necessário para derrotar o tal bolsonarismo, não tenha dúvida nenhuma que eu me colocaria à disposição”.

A mensagem, foi dada dias após Fernando Haddad, tornar-se se anunciar como pré-candidato do PT para as eleições de 2022, caso Lula não viesse a concorrer, com notório entusiasmo da imprensa golpista.

Haddad, inclusive, declarou que havia recebido orientação para percorrer o país, já com o intuito de criar uma imagem para sua candidatura. Contudo, o nome Lula não sai apenas da boca do povo como também está no centro da crise política do país, ainda mais aprofundada após as recentes revelações de sua defesa contra a criminosa operação lava jato e todo o judiciário golpista, que endossou sua condenação fraudulenta.

É importante frisar, que Lula saiu ao público logo após a chamada “Vaza Jato” expor centenas de mensagens entre os procuradores da operação Lava Jato, como também, entre o procurador Deltan Dallagnol e o ex-juíz Sérgio Moro. Nestas mensagens, fica comprovado de maneira cabal, que Lula sofreu uma brutal perseguição política do regime golpista, e que todos os seus processos não passaram de uma grande fraude, responsável por sua prisão, e pela fraude nas eleições de 2018, que retirou seus direitos políticos de maneira arbitrária.

Contra a perseguição política

 

Além disso, o posicionamento de Lula  é fundamental para defender os direitos democráticos da população, uma vez que se os direitos políticos do ex-presidente e maior liderança popular do País não forem respeitados, estarão condenados os direitos de todo o povo, como vem acontecendo.

Lula mostrou consciência da sua situação, afirmando

 “o que eu sei é que eu sou refém da maior mentira jurídico-política contada nesse país para evitar que eu pudesse ser candidato à presidência da república”.

Tal colocação reflete a mais pura realidade, Lula foi retirado das eleições pois até mesmo a imprensa burguesia admitia que o mesmo era o candidato mais popular entre os trabalhadores.

“Essa gente não estava atrás de combater a corrupção”

acrescentou Lula na entrevista, a respeito de toda esta operação farsa.

O ex-presidente continua ameaçado pelo STF, que manobra para não devolver seus direitos políticos, tornando a fraude de Moro um caso a parte de todo processo criminoso contra Lula. Dessa maneira, a decisão de Lula se prontificando a ser candidato é um importante passo na luta pela devolução de seus direitos e da luta contra o golpe.

Do alto escalão do exército à Bolsonaro

 

Contra Lula, até mesmo o alto escalão do exército brasileiro, encabeçado pelo general Villas Boas, agiu, conforme descrito no livro do próprio general, que se tornou um caso “bomba” na última semana. Com toda esta perseguição, fica ainda mais evidente que Lula é de fato uma peça chave da crise do regime político,  podendo servir como uma arma fundamental na luta contra o regime golpista e seus ataques contra o povo brasileiro.

Dessa maneira, justamente a principal luta do povo brasileiro neste último período, a luta contra o golpe, passa diretamente pela figura do ex-presidente. A burguesia sabe deste problema, sabe que Lula é visto como o principal representante da mobilização dos trabalhadores e se coloca frontalmente contra sua candidatura.

Para impedir que Lula volte à presidência, inclusive, a burguesia golpista aceita se juntar a Bolsonaro, uma vez mais, ou a qualquer outro fascista de prontidão, que tenha possa servir aos seus interesses.

Por conta disso, a própria imprensa burguesa faz uma enorme propaganda contra sua figura, enquanto Fernando Haddad, Guilherme Boulos e tantos outros representantes da esquerda pequeno-burguesa, são impulsionados como uma suposta alternativa ao ex-presidente.

Lula é peça chave não por simplesmente “ter mais votos”, mas sim por ser uma figura com amplo apoio entre os setores mais organizados da população explorada. Por isso mesmo em sua defesa, é possível mobilizar todos os trabalhadores, em uma forte campanha de massas, nas ruas pelo país, defendendo seus direitos políticos e sua candidatura em 2022.

Lula ou nada

 

Por isso tudo, Lula polariza mais do que ninguém, para ter Lula em 2022, o povo se vê obrigado a sair às ruas e confrontar a burguesia. Não se trata meramente de cálculos eleitorais, mas sim, da mobilização popular contra o regime golpista.

Por isso, que a colocação de Lula se prontificando a ser candidato é tão importante e deve ser apoiada. Com ela, o regime político pode ser abalado pela mobilização dos trabalhadores, ainda mais após a intensa crise sofrida durante a pandemia.

As eleições serão em 2022, contudo, a luta em defesa de Lula é imediata, contra todos os ataques do regime golpista, e a política captuladora da esquerda pequeno-burguesa. Graças a este fato, é necessário impulsionar todas as atividades de rua em defesa do ex-presidente, como os atos do próximo dia 27 de fevereiro.

É preciso impulsionar esta campanha nos sindicatos e demais partidos da esquerda. Defender os direitos políticos de Lula é defender os direitos democráticos de toda população, assim, precisa ser impulsionada uma campanha de rua, como os mutirões do Partido da Causa Operária realizados todos os domingos, para formar uma verdadeira mobilização entorno de sua candidatura.

Relacionadas
Send this to a friend