Anular todos os processos
Dia 27 precisa ser o início de uma ampla mobilização da população em defesa dos direitos políticos do ex-presidente Lula.
lula
Lula candidato! | Foto: Paulo Pinto/Fotos pública
lula
Lula candidato! | Foto: Paulo Pinto/Fotos pública

Com as revelações da chamada “Vaza Jato”, que demonstraram mais uma vez de maneira acabada o processo farsa realizado contra o ex-presidente Lula, colocou-se na ordem no dia a defesa irrestrita do ex-presidente, de seus direitos democráticos e de sua candidatura em 2022.

Às ruas!

Após esta onda de novas denúncias, um importante chamado foi feito por Lula: todos às ruas no dia 27/02 em defesa dos direitos políticos do ex-presidente!

A declaração foi feita em reunião do comitê nacional Lula Livre nesta última sexta-feira (5), quando o ex-presidente Lula denunciou a farsa da operação que retira seus direitos políticos, e coloca a necessidade da mobilização, pois, como a realidade demonstrou, a justiça burguesa irá fazer de tudo para mantê-lo sem direitos, mesmo que toda farsa da operação fosse revelada.

Nesse sentido, a declaração de Lula é certeira, e extremamente importante para a mobilização da esquerda brasileira, e principalmente da classe trabalhadora. O comitê declarou assim, que pretende no dia 27 de fevereiro, com a intensão de pressionar o julgamento pelo habeas corpus de Lula, que as capitais brasileiras e embaixadas do país no exterior, fossem tomadas por manifestantes em defesa de Lula.

Além disso, o comitê também divulgou uma nova iniciativa de vigília que visa agora, após o sucesso da vigília Lula Livre realizada em Curitiba, enquanto Lula encontrava-se preso, realizar uma nova vigília em frente ao STF. Esta ação está programada para ser realizada a partir de março pela votação do habeas corpus.

Lula no próprio encontro esclareceu a razão de ser perseguido. Em suas palavras, colocou que Bolsonaro não quer enfrenta-lo pois “sabe que perde”, mesma política ditatorial levada pela burguesia em 2018, que o prendeu e impediu que concorresse, retirando todos os seus diretos políticos.

Esta situação, revela uma grande contradição, ao se colocar em paralelo com a escolha de Fernando Haddad, como possível substituto, caso Lula não possa concorrer em 2022. Por um lado, Lula busca se antecipar a um possível resultado negativo por parte da justiça, e assim coloca Haddad como substituto de sua candidatura, o que seria, uma grande derrota para os trabalhadores.

A mobilização é a única saída

Por outro lado, Lula se mostra crente que seus direitos políticos só poderão ser defendidos por meio da mobilização dos trabalhadores, demonstrando um grande avanço frente a ideia de que seria pela justiça golpista e suas instituições que os seus diretos democráticos seriam reconquistados. Lula vê na classe trabalhadora seu real apoio, e a saída para sua defesa contra a perseguição política realizada pela burguesia.

O Partido da Causa Operária, participa do comitê Lula Livre, e defende totalmente a segunda opção, nesse sentido o partido apoia integralmente o ato chamado por Lula para o dia 27, e defende uma ampla convocação por parte de toda a esquerda, sindicatos, etc.

É necessário que a CUT mobilize os sindicatos, que o movimento estudantil  e os professores em greve nos estados de São Paulo, Rio de Janeiro e Paraná, assim como o maior sindicato de professores do país, a Apeosp, engrosse o chamado a mobilização. Organizações como MST, e muitas outras, também devem se somar a este fundamental ato.

Todos os setores esmagados e oprimidos pelo regime golpista, devem se unir em torno da figura de Lula nesta mobilização. Defender Lula, é defender os direitos democráticos do povo brasileiro contra a ditadura golpista. É se colocar frontalmente contra o governo Bolsonaro, e dar uma alternativa popular e mobilizadora para a derrubada de seu governo.

Lula se mostra cada vez mais peça chave da luta política brasileira. Sua presença nas eleições será responsável por impulsionar uma ampla mobilização dos setores populares, e levar a uma grande radicalização dos trabalhadores brasileiros.

Isto é tudo que a burguesia não quer, e a única figura que é capaz de realizar este fenômeno é Lula, a pessoa vista como representante da classe trabalhadora, e dada como candidato da luta contra o golpe.

Não será abandonado sua candidatura, muito menos ne unindo a burguesia dita “democrática” que o golpe de estado será derrotado. Apenas a mobilização dos trabalhadores será capaz de resolver este problema, processo esse canalizado pela candidatura de Lula.

Um dever da esquerda

Por isso, é necessário convocar amplamente os atos do dia 27 em todo país. É fundamental que haja uma ampla campanha não apenas no interior da esquerda brasileira, como também em todos os setores oprimidos. Este ato, precisa ser o primeiro de muitos durante todo o próximo período.

A justiça burguesa irá apenas aprofundar os ataques contra Lula, em sua perseguição implacável contra seus direitos políticos e de todos os trabalhadores. Não podemos permitir que a fraude de 2018, que elegeu o fascista Jair Bolsonaro, se repita em 2022. E para isso, o único caminho é defender Lula, o que para isso tem como única saída a tomada das ruas pelos trabalhadores brasileiros.

Todas aquelas organizações que se opõe ao golpe de estado tem como obrigação fundamental se unir nesta Lula. As ruas são a única opção, nada de atos virtuais, ou qualquer outra encenação, que não serve para mobilizar os trabalhadores, mas sim, apenas setores minoritários da pequena-burguesia.

As ruas são do povo, e elas precisam ser tomadas na defesa do ex-presidente Lula e de todos os seus direitos políticos. Esta é a única garantia de que os direitos democráticos da população serão defendidos.

Dia 27 precisa se tornar o dia do início de uma ampla mobilização, pela anulação dos processos fraudulentos contra Lula, por seus direitos políticos e pela sua candidatura, por Fora Bolsonaro e todos os golpistas!

 

 

Relacionadas
Send this to a friend