Luciana Genro, a esquerda que Trump gosta

Luciana_Genro_lendo_O_Globo

Luciana Genro, membro número um do fã clube da operação golpista Lava Jato, mostrou mais uma vez seu posicionamento reacionário e pró-imperialista ao criticar a presidenta do PT, Gleisi Hoffmann, por ir à posse do presidente da Venezuela, Nicolás Maduro.

Gleisi vai representar o PT na posse do Maduro. Dando uma mãozinha para aqueles que querem liquidar a esquerda. Mas só uma esquerda mofada para apoiar o Maduro a estas alturas. Há muito tempo deixou de ser um governo progressista. E o pior é que a oposição forte é burguesa e elitista”, escreveu a deputada estadual eleita pelo PSOL, em seu perfil no Twitter.

A presidenta do PT adotou uma postura corajosa, importante e correta ao ir à posse de Maduro, demonstrando que seu governo é legítimo e tem o apoio do povo venezuelano. Ao mesmo tempo em que ela boicotou a posse do fascista Bolsonaro, expressando de certa maneira o não reconhecimento do governo golpista do Brasil, mesmo que não seja sua política oficial.

Para Genro, Gleisi representa “uma esquerda mofada” ao apoiar Maduro “a estas alturas”. Quais seriam “estas alturas”, afinal? O governo venezuelano sofre, sistematicamente, há dezesseis anos, uma pressão gigantesca do imperialismo, que tenta destuir a Venezuela a fim de derrubar o governo e saquear as riquezas do país. Os EUA ameaçam, inclusive, uma invasão militar e, “a estas alturas”, essa possibilidade é real, por isso as massas na Venezuela estão armadas e prontas para resistir militarmente.

De acordo com Genro, é um erro apoiar Maduro contra o imperialismo, porque, segundo ela, “há muito tempo deixou de ser um governo progressista”. Mas, do outro lado, está, como ela mesma reconhece, uma “oposição forte” que é “burguesa e elitista”. Ou seja, entre Maduro – que representa um nacionalismo burguês radical, com forte apelo social e apoio da classe trabalhadora – e a burguesia, a dirigente do PSOL prefere ficar ao lado da burguesia.

Porque, embora ela diga defender uma “terceira via”, que é o apoio irreal à esquerda pequeno-burguesa venezuelana que também defende a queda de Maduro, a possibilidade dessa esquerda assumir o lugar de Maduro é inexistente, uma vez que carece de apoio popular e penetração nas bases operárias.

Ainda, quem está na verdade no polo oposto a Maduro e ao chavismo é o imperialismo, por trás da frágil burguesia golpista. A luta na Venezuela, em última instância, é uma luta entre a classe operária e o imperialismo. E a classe operária está ao lado do governo, inclusive o pressionando para uma posição cada vez mais à esquerda. Estar contra o governo Maduro, neste momento, é estar a favor do imperialismo.

Mesmo que tenha tentado se retratar, em uma mensagem posterior (diante da enxurrada de críticas que sofreu por sua posição direitista), na prática ela continua apoiando o imperialismo contra Maduro. “Mas ninguém pense que porque estou contra o Maduro daria apoio a uma intervenção imperialista”, escreveu. “Não cabe ao imperialismo demovê-lo”, continuou em sua postagem.

Como explicamos acima, esta é uma luta de vida ou morte entre o povo venezuelano, que apoia Maduro, e o imperialismo, que quer derrubá-lo. Não há uma “terceira via”. Genro adota a política “nem, nem”, mas como a realidade se impõe e não admite que se fique em cima do muro, o ataque que ela faz a Maduro apenas favorece o imperialismo.

Mas isso não é novidade quando falamos sobre Luciana Genro e seu partido. É costume da esquerda morenista apoiar o imperialismo em seus golpes de Estado contra governos nacionalistas, como ocorreu na Ucrânia, no Egito e na Síria. E no próprio Brasil.

Os morenistas não entendem que o maior inimigo da classe trabalhadora é o imperialismo, mesmo que o governo que está prestes a ser derrubado seja um governo nacionalista de direita ou até de extrema-direita. Essa esquerda ecoa o discurso imperialista que prega a “democracia” liberal, ou seja, a ordem capitalista em estado puro, para combater as “ditaduras”, os supostos inimigos da democracia.

E a ordem capitalista, o imperialismo, significa a devastação dos países oprimidos pela máquina de guerra dos países avançados a fim de saquear seus recursos e entregar aos monopólios capitalistas. A derrubada de um governo nacionalista burguês pelo imperialismo escraviza a população desse país, que fica refém dos monopólios e tem seus direitos totalmente destruídos, uma vez que a organização dos trabalhadores também é destruída.

Se a política correta dos revolucionários é defender um país governado pelo nacionalismo burguês do imperialismo, essa postura é ainda mais necessária quando o país em questão tem uma classe trabalhadora amplamente organizada e evoluída, que tem o potencial para tomar o poder diretamente para suas mãos. Esse é o caso da Venezuela, cujo governo, devido à sua base social, aplica uma política que atende aos interesses básicos dos trabalhadores.

Os posicionamentos da Luciana Genro só poderiam ser feitos por alguém que é profundamente alinhado aos interesses dos norte-americanos. E não é a primeira vez que ela se posiciona ao lado do imperialismo.