“Locaute” é invenção da Globo

greve-caminhoneiros

Com um turbilhão de informações desencontradas nas redes sociais, e o ataque impiedoso da imprensa burguesa, alguns setores ainda se perguntam se a mobilização dos caminhoneiros é de fato uma greve ou um locaute.

Para desfazer essa confusão, é importante apontar que o primeiro setor a levantar a hipótese de um locaute foi a própria imprensa golpista. Miriam Leitão, conhecida colunista e comentadora dos jornais da Globo, foi a primeira a levantar essa tese. Esse fato, por si só, já dá um indicativo de como resolver essa dúvida.

A mobilização dos caminhoneiros, apesar de ser realizada por um setor de pequenos empresários, alguns ideologicamente ligados à direita, é contra a burguesia e o golpe. Por mais que a maior parte envolvida na mobilização não tenha consciência disso, a greve bate de frente com as políticas entreguistas da Petrobrás e, portanto, se confronta diretamente com os golpistas. Os interesses econômicos falam mais alto do que as ideias malucas de alguns setores.

É importante perceber também que todos os setores fundamentais da burguesia estão contra a greve. Toda a mídia golpista procura atacar o movimento, colocando fins prematuros em mobilizações, inventando situações que não existem para criar histeria na população, assim como os próprios militares, que já estão se pronunciando no sentido de acabar com a mobilização, se preciso à força.

Diante disso, fica fácil tirar a conclusão que a tese do locaute é mais uma invenção da burguesia para desmoralizar a greve. A mobilização continua, está gerando a adesão de diversas outras categorias, inclusive da classe operária, e tudo indica que o movimento representa um enorme perigo para o governo golpista.

É preciso impulsionar a classe operária a atuar e aderir a greve. É preciso uma enorme greve geral que ameace a burguesia, reivindicando uma Petrobrás 100% estatal, a liberdade para Lula e a reversão de todas as medidas do governo golpista.