1922
Obra de Ivana Rebello e Fabiano de Paula enfoca a participação mineira do poeta Agenor Barbosa e a pintora Zina Aita, na Semana de Arte Moderna de 1922
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
zina-aita-a-sombra (1)
Zina Aita. A sombra. Década de 1920. Óleo sobre tela. 22 x 29 cm. | Foto: Reprodução/Internet

A escritora Ivana Ferrante Rebello e o arqueólogo e historiador Fabiano Lopes de Paula lançam livro que destaca a participação mineira do poeta Agenor Barbosa, de Montes Claros e da pintora Zina Aita, de Belo Horizonte, na Semana de Arte de 1922, onde os dois nomes foram escondidos pela superioridade paulista no evento. A obra reconhece a participação dos dois mineiros, pelos dois autores que são conterrâneos dos artistas, que será lançada no dia 5 de dezembro, em Belo Horizonte, o livro Uma tristeza mineira numa capa de garoa. Agenor Barbosa: um poeta mineiro na Semana de Arte moderna (Editora Ramalhete).

O poeta Agenor Barbosa, então com 26 anos, natural de Montes Claros, na Região Norte do estado, e a pintora Zina Aita, de 22, belo-horizontina de família italiana, os dois mineiros que não tiveram o devido reconhecimento pela história e caíram no esquecimento desse acontecimento que celebrava os novos tempos e 100 anos da Independência do Brasil. Diz a professora Ivana: “Não podemos entender a repercussão da Semana de Arte Moderna apenas lendo a repetição do que se publicou sobre ela. Muitos aspectos do evento merecem ser memorados, inclusive a participação dos dois mineiros. Zina Aita é pouco referenciada; Agenor Barbosa foi desmerecido e esquecido. O prestígio de que Barbosa gozava no início do século 20 em Belo Horizonte e, depois, em São Paulo não condiz com esse esquecimento”.

E Fabiano complementa: “O que nos interessou nessa pesquisa, mais do que falar da participação mineira no Modernismo de 1922, foi identificar traços de uma modernidade, gestada à mineira, em Belo Horizonte, antes de 1922. Tratava-se de um Modernismo em surdina, como definiu Cyro dos Anjos, mas com tonalidade própria.” Ele explica que “a Semana de Arte Moderna foi balizada por duas características: o espírito polêmico e destruidor que desconsiderava tudo o que fora feito no Brasil e que se pautava pelo gosto acadêmico. E a necessidade de encontrar uma dicção autêntica para as artes nacionais”.

A Semana de Arte Moderna, também chamada de Semana de 22, ocorreu entre os dias 13 e 18 de fevereiro de 1922 no Teatro Municipal de São Paulo, foi o evento que deu visibilidade para uma das escolas literárias mais inovadoras e importantes da história da literatura brasileira: o modernismo.. O seu objetivo era renovar o ambiente artístico-cultural e mostrar o que havia na escultura, arquitetura, música e literatura brasileira do momento. os artistas que participaram da Semana de Arte Moderna tinham como objetivo mostrar uma nova visão de arte. Sua proposta era renovar a visão social e artística presente no Brasil naquele momento.

Alvo de muitas críticas, a Semana de Arte Moderna só ganhou sua importância com o passar dos anos, e o seu principal legado foi desprender a arte brasileira da reprodução de padrões europeus, dando início à construção de uma cultura essencialmente nacional. Representou importante inovação, posto que a arte passou da vanguarda para o modernismo. Houve uma revolução na linguagem artística, já que se obteve uma ruptura com o passado. Certas novidades artísticas surgiram na Semana e se incorporaram à cultura nacional.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas