Livro “Comunismo para crianças” gera perseguição fascista contra escritora

livro1

Da redação – O lançamento do livro “Comunismo para crianças”, pela editora Três Estrelas – selo editorial do golpista Grupo Folha -, recebeu uma avalanche de reclamações, xingamentos, ameaças, de fascistas e conservadores. O livro da alemã Bini Adamczak, lançado no país da autora em 2004, no Brasil segue o modelo de livros lançados nos EUA, explicando temas complexos, como a luta de classes e o comunismo, por meio de uma linguagem simplificada, diferente da complexidade acadêmica e não é exatamente voltado para as crianças.

A REDE TVT (CUT), fez a denúncia e aproveitou para entrevistar a autora, que falou sobre o crescimento da perseguição após o golpe:

A golpista “Folha de São Paulo”, explicou que o título é uma brincadeira, porém, o fascismo não brinca, ele ataca as organizações operárias com a finalidade de destruir tudo que os trabalhadores conquistaram em 300 anos de luta de classes. O mais interessante é que esse ódio irracional virá até mesmo contra uma editora da burguesia, demonstrando a diferença prática entre esquerda e direita: a esquerda estuda história, enquanto a direita luta por um individualismo capitalista, e que, se preciso, ameaça, mata, tortura para conseguir seus objetivos.

Como este diário operário vem demonstrando sistematicamente, após o golpe, o setor cultural vem sendo alvo de ataques conservadoristas e fascistas. Museus, exposições e agora livros, são atacados por grupos como o Movimento Brasil Livre (MBL), juízes de direita, partidos de direita e o PCO deixa aqui seu repúdio ao retrógrado e seu apoio a escritora que teve uma bela iniciativa.