Nenhuma novidade
Ato circense é um distracionismo da direita, que busca ganhar tempo e para isso, conta com os mais destacados oportunistas no campo das esquerda
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
frente ampla
Direita já! | Foto: Arquivo/DCO

Na última sexta-feira, 26 de junho, uma verdadeira obscenidade foi transmitida via YouTube. Dominada pelo que existe de pior na política brasileira, o chamado ato virtual “Live dos Direitos Já!” contou com nomes como Geraldo Alckmin, Tasso Jereissati, Ciro Gomes, Cristovam Buarque e Fernando Henrique Cardoso integraram a trupe, sob a supervisão da dona, Maria Alice Setubal, herdeira do banco Itaú e filha de Olavo Setubal, um dos mais destacados capitalistas no apoio à Ditadura Militar de 1964 a 1985. A elite do estrume.

O show do horrores, contudo, tinha um objetivo político claro: promover a confusão na esquerda. Obviamente, ninguém normal levaria a sério um evento que tem “direitos” no nome e é capitaneado por notórios inimigos dos direitos democráticos da população, exatamente o grupo que nos últimos 4 anos simplesmente cancelou os direitos políticos, os direitos trabalhistas, os direitos previdenciários e na última semana, até mesmo o direito à água. Eis que surgem os papagaios de pirata da esquerda pequeno-burguesa.

Incapazes de resistir a holofotes e afagos da burguesia, os setores mais reacionários da esquerda marcaram presença na festa da demagogia. Além dos elementos oriundos de partidos tipicamente pequeno-burgueses, caso do PSOL e do PCdoB, o evento contou também com presença das principais lideranças da ala direita do PT, como Tarso Genro, Fernando Haddad, Eduardo Suplicy e o cirista Camilo Santana.

A presença destes profissionais do oportunismo, que aceitam de bom grado se juntar a este tipo de palhaçada sabendo quais são os interesses por trás, se explica pelo fato da burguesia não poder contar com as próprias forças para manter o controle do regime político, sendo obrigada a recorrer ao confusionismo. Assim, o que seria motivo de chacota sob condições normais, vira alvo de discussões no interior do campo político, mantendo a esquerda ocupada enquanto a direita ganha tempo, o que está longe de ser algo trivial.

Evidenciado pela própria propaganda do ato, que rememora a famigerada campanha “Diretas Já!”, uma das mais vergonhosas capitulações da esquerda brasileira no século passado, a nova campanha tem a mesma função: impedir que a mobilização popular derrote o golpe. Neste momento, isto inclui também o governo Bolsonaro. Emblemático disto, o combativo capacho da direita Marcelo Freixo (PSOL-RJ) se prestou a aparecer para resumir a essência da palhaçada, a reunião de “personalidades importantes na vida política brasileira” para defender as instituições do regime burguês, que atuaram de maneira decisiva para a eleição do fascista Jair Bolsonaro, sendo até hoje os responsáveis pela sustentação do governo.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas