Liga dos Campeões da Europa: Roma mostra que fazer o quase impossível é sim bem possível

RM x JUV

A mais importante competição de clubes europeus teve uma semana decisiva, com os jogos das quartas de final.  Nesta etapa da competição estavam envolvidos oito times, representantes dos principais centros do futebol do velho continente (Inglaterra, Itália, Espanha e Alemanha)

Os confrontos envolveram Manchester City x Liverpool; Roma x Barcelona, Real Madrid x Juventus e Bayern Munique x Sevilha. Foi o segundo confronto dos times, cuja disputa é realizada em sistema de ida e volta.

O resultado mais surpreendente ficou mesmo por conta da espetacular vitória da Roma sobre o “todo poderoso” Barcelona. O time da capital italiana precisava reverter uma desvantagem de três gols, depois de ter sido derrotado na partida de ida pelo placar de 4 x 1, na capital da Catalunha. Nem mesmo o mais otimista torcedor romano poderia acreditar que fosse possível desfazer a vantagem do time catalão, que levou à “cidade eterna” a sua força máxima, com seu elenco recheado de craques.

Mas a Roma recusava-se a morrer de véspera e entrou determinada a mostrar que não estava vencida. O time romano escreveu uma das maiores e mais espetaculares páginas da sua história. Não só realizou uma partida quase perfeita, anulando completamente o time de Messi e Iniesta, como foi em busca da classificação e a alcançou, fazendo 3 x 0 no Barcelona, que não viu a cor da bola na partida. Foram poucas as investidas do time catalão contra o gol do estupendo goleiro brasileiro Allysson, da seleção brasileira e que neste momento figura na lista dos três melhores guarda-metas do mundo. Foi uma vitória épica dos romanos, que por terem marcado um gol fora de casa na derrota por 4 x 1 na partida de ida, se beneficiaram por terem construído um placar com a mesma diferença de gols; sem, no entanto, terem sofrido nenhum dentro de casa. Festa na capital romana

Juventus deixa escapar a classificação nos últimos segundos

Outro time italiano que esteve em ação na rodada foi a Juventus. A equipe da cidade de Turim havia sofrido um derrota pelo placar de 3 x 0 para os espanhóis do Real Madrid, em casa, na primeira partida, realizada na semana passada. O time italiano – a exemplo da Roma – parecia ter uma tarefa quase impossível; reverter a vantagem obtida pelo adversário dentro da própria casa. Bola rolando, a Juventus foi para cima e não se intimidou. Montou um esquema defensivo para impedir as investidas do veloz ataque madrilenho, liderado por Cristiano Ronaldo. Ao mesmo tempo, não podia se limitar a defender, pois necessitava descontar a diferença. E foi em busca do resultado, jogando melhor e com mais poderio ofensivo.

Dessa forma, chegou aos 2 x 0 ainda no primeiro tempo, assustando os incrédulos torcedores do Real Madrid, que lotaram o majestoso Santhiago Bernabeu. Na segunda etapa, os italianos viram a chance da classificação quando o francês Matuidi aproveitou falha do goleiro Keilor Navas e empurrou para as redes. A “Velha Senhora” – a partir do terceiro gol, que levaria a partida para a prorrogação, – baixou o ritmo, mas não recuou. A defesa juventina estava bem postada, tendo no experiente zagueiro Chiellini o “xerife” que comandava o rechaço das principais investidas do ataque galáctico. O ataque do Real quase não produziu jogadas que levaram perigo à meta de Gianluigi Buffon.

A Juventus seguiu segurando o placar e quando tudo parecia que a decisão seria mesmo na prorrogação, veio o lance capital da partida. Toni Kross lança Cristiano Ronaldo na área, o português sobe mais alto que o defensor italiano e escora a bola para Vasquez, que ao dominar é acossado faltosamente por Benathia. O juiz estava muito próximo ao lance e apontou para a marca do pênalti. Faltavam apenas quinze segundos para o término dos acréscimos. Muita reclamação por parte do time italiano, que cercou o árbitro. O veterano goleiro Buffon acabou sendo expulso por reclamação acintosa contra o juiz. O goleiro reserva polonês Szczesny entrou tão somente para tentar evitar o gol que daria a classificação aos madrilenhos. Mas não pode fazer nada, pois Cristiano Ronaldo bateu no ângulo superior direito, sem qualquer chance de defesa para o reserva de Buffon. O árbitro ainda concedeu 1 (um) minuto de bola rolando depois da saída, mas não havia tempo para mais nada. Final, Real Madrid classificado e festa na capital espanhola.

Nas duas outras partidas, o Liverpool confirmou a classificação ao derrotar o Manchester City pelo marcador de 2 x 1, nos domínios do adversário. O time da cidade dos Beatles já havia derrotado o “Citizen” pelo placar de 3 x 0. Muito boa a campanha do Liverpool no torneio europeu.

Na outra partida, realizada em Munique, o Bayern ficou no zero a zero contra os espanhóis do Sevilha. Como já havia derrotado o adversário na partida de ida pelo placar de 2 x 1, assegurou a classificação, garantindo a vaga para as semifinais.

A UEFA irá realizar o sorteio dos confrontos das semifinais na sexta-feira, dia 13, na sua sede, em Zurique, na Suiça. Estaremos acompanhando.