Vírus se espalha por todo lado
A liga dos atletas, não só do vôley, mas de todos os esportes devem denunciar e exigir a suspensão dos torneios até que se possa vacinar todos os atletas
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
voleycbv
Jogadores de Vôley usam máscara para tentar se proteger | Foto: Ricardo Bufolin/ECP

A liga brasileira de vôlei terminou o primeiro turno com 83 atletas infectados pelo Coronavírus. A Superliga masculina teve início no dia 31 de outubro, e a feminina, em 9 de novembro. Desde então, 83 atletas tiveram a doença (55 mulheres e 28 homens) e 30 partidas foram adiadas, 20 delas pela competição feminina, segundo levantamento da CBV.

Mas mesmo que nenhum atleta tenha morrido as pessoas que estão envolvidas diretamente com o esporte, massagistas, roupeiros, auxiliares, e toda comissão técnica foram expostos ao vírus, desses que trabalham fora das quadras não se sabe a situação.

Além dos casos ocorridos na Superliga todos os outros torneios profissionais ou amadores tiveram pessoas contaminas, a maioria delas entrou no cômputo geral de casos, e não se sabe quantos morreram vítimas da doença.

Alguns atletas profissionais mesmo não sendo obrigados optaram por usar a máscara para impedir a contaminação, casos de jogadores com filhos pequenos e com problemas de saúde motivaram o maior cuidado por parte desses jogadores.

Devemos lembrar que os jogadores em sua maioria são jovens e possivelmente não sofrerão as conseqüências mais graves da doença, mas eles estão no topo da pirâmide, e tem o poder de disseminar o vírus para todos a sua volta, familiares, amigos e pessoas em contato direto com eles.

Os atletas são obrigados a viajar constantemente por meio de transporte onde o risco de contrair o vírus é ainda maior.

Mesmo sabendo dos riscos a CBV prefere os ganhos financeiros gerados pelos torneios, financiados pelos capitalistas, do que suspender ou mesmo cancelar a Superliga.

Toda a sociedade esta sendo obrigada as voltar com suas atividades mesmo com o risco de vida que isso representa.

Os cartolas como não tem que poder o pé na quadra e ficam seguros em suas casas obviamente não terão nenhum problema.

Caso algum atleta venha a falecer que se coloque outro no lugar, afinal o Brasil é o país do Vôlei.

Nos moldes do faz o governo federal as confederações de esportes subordinadas de forma indireta ao golpista Jair Bolsonaro, seja através de suas diretorias direitistas ou em razão de patrocínios de empresas estatais não dão a mínima inportância para a saúde dos atletas e dos trabalhadores do esporte.

A CBV é muito eficiente na hora de punir atletas que se manifestam, mas inoperante na hora de proteger os atletas que lhe dão tanto lucro.

A solução individual de alguns atletas de se protegerem melhor, usando mascaras durante os jogos não resolve o problema geral e o risco de contágio deles próprios, pois a forma de contaminação do vírus ainda é pouco conhecida, mas já se sabe que existem várias formas de contágio, e ela não acontece apenas pelo ar.

A liga dos atletas, não só do vôley, mas de todos os esportes devem denunciar e exigir a suspensão dos torneios até que se possa vacinar todos os atletas, e a população de modo geral, logicamente.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas