Ditadura colombiana
Governo de Ivan Duque usa instâncias da justiça para perseguir lideres camponeses que lutam contra multinacionais.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Robert Daza - Colômbia (1)
Robert Daza, um dos líderes presos na madrugada desta quarta (16). | Foto por: reprodução/congreso de los povos

Ao menos três líderes do movimento camponês, membros do Congresso dos Povos e da Coordenação Nacional Agrária, foram presos arbitrariamente nesta terça e quarta (16) sob alegação de crime de “rebelião”, por supostamente “pegar em armas para suprimir ou modificar o regime vigente”.

Robert Daza, Teófilo Acuña e Adelson Gallo, foram presos por serem líderes da luta dos camponeses do departamento de Bolívar e Meta, podendo ser condenados a 13 anos de prisão. Os três são conhecidas lideranças nacionais na luta contra as petroleiras, mineradoras e empresas do setor agrícola multinacionais.

O Movimento Político de Massas Social e Popular do Centro Oriente da Colômbia denunciou que o país vive uma “grave crise social e humanitária”, convocando manifestações pela liberdade dos presos políticos e contra o governo do fascista Ivan Duque, aliado do imperialismo norte-americano e parceiro de Jair Bolsonaro.

Só em 2020 cerca de 255 líderes sociais já foram assassinados, assim como 57 ex-combatentes das FARC, mostrando que a Colômbia se tornou uma ditadura fascista contra os trabalhadores do campo e da cidade, apoiada nas milícias do tráfico de drogas, sustentado pela política imperialista dos Estados Unidos.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas