HAMBURGUER_1
SHARE

7 vezes em que a esquerda serviu de papagaio da direita

Anterior
Próximo

Tensões continuam

Líder do Hezbollah convoca resistência contra Israel

Hasan Nasrallah afirma que a resistência não pode ficar parada caso ataques a lugares sagrados continuem em Jerusalém.

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

Guerra contra palestina recebe apoio fundamental do imperialismo – Reprodução

Por Sputnik News

Hasan Nasrallah afirma que a resistência não pode ficar parada caso ataques a lugares sagrados continuem em Jerusalém. Durante discurso, estado de saúde do líder chamou atenção nas redes sociais.

Nesta terça-feira (25), o líder do Hezbollah, Hasan Nasrallah, disse que qualquer violação de Jerusalém e dos locais sagrados para muçulmanos e cristãos levaria a uma guerra regional, segundo o The Times of Israel. 

“Os israelenses devem entender que violar a cidade sagrada e a mesquita e santuários de Al-Aqsa não vai parar a resistência de Gaza. [Atacar] Jerusalém significa uma guerra regional. Todos os movimentos de resistência não podem ficar parados e assistir a isso acontecer se a cidade sagrada estiver em perigo real e grave”, declarou Nasrallah segundo a mídia.

​Ao longo de sua exposição, Nasrallah descreveu o intenso lançamento de foguetes contra Israel pelo Hamas como uma “grande vitória”, mesmo com o fato da defesa israelense ter interceptado vários deles.

A sombra do Hezbollah permaneceu presente durante o forte conflito de 11 dias entre Israel e a Faixa de Gaza, com a possibilidade de lançar seu arsenal de mísseis – muito mais poderosos que o do Hamas – em apoio aos palestinos. Porém, o grupo permaneceu a margem do confronto e só realizou manifestações a favor de Gaza no sul do Líbano.

Em um dos dias dessas manifestações, um membro do Hezbollah foi morto quando Israel abriu fogo para repelir os manifestantes que tentavam romper a fronteira.

Membros do Hezbollah perto do caixão de Mohamed Tahan, que foi morto na cerca da fronteira com Israel, durante seu funeral em Adloun, sul do Líbano, em 15 de maio de 2021
© REUTERS / AZIZ TAHERMembros do Hezbollah perto do caixão de Mohamed Tahan, que foi morto na cerca da fronteira com Israel, durante seu funeral em Adloun, sul do Líbano, em 15 de maio de 2021

A escolha do grupo de não entrar no conflito diretamente, segundo especialistas, foi baseada em problemas financeiros e adversidades que o próprio Líbano vem enfrentando.

Na terça-feira (25), o secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, chegou a Israel para encontrar o primeiro-ministro, Benjamin Netanyahu. Durante o encontro, Blinken reafirmou o compromisso dos EUA de fortalecer a segurança de Israel e o direito de Tel Aviv de se defender contra ataques.

No mesmo dia mais tarde, o secretário se encontrou com Mahmoud Abbas, presidente da Autoridade Nacional Palestina, e disse que os EUA se opõem a qualquer medida que prejudique a solução de dois Estados para o conflito israelo-palestino, além de confirmar que Washington vai continuar com o processo de reabertura de seu consulado em Jerusalém Oriental.

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.