Demagogia stalinista
Youtuber do PCB, que apoiou o golpe de Estado no Brasil, acusou os trotskistas de colaborarem com a burguesia internacional em suas conspirações contrarrevolucionárias
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
fpsm
Ato da Frente Povo sem Medo contra o governo Dilma Rousseff | Foto: Reprodução/Twitter

Se o ano de 2020 foi marcado por uma pandemia devastadora e pelo avanço da direita no regime político, ao menos um indivíduo teve muito o que comemorar: o youtuber Jones Manoel, hoje filiado ao Partido Comunista Brasileiro (PCB), viu sua carreira alçar voo ao ser premiado pela Folha de S.Paulo e pelo lavajatista Caetano Veloso. Em mais uma demonstração de gratidão à burguesia golpista que lhe cedeu uma pequena parcela de privilégios, o youtuber decidiu, a poucos dias do fim do ano, publicar em suas redes sociais mais uma calúnia contra o programa revolucionário da Quarta Internacional, fechando com chave de ouro um ciclo de intensa colaboração com a política da frente ampla. Disse ele:

O conteúdo da calúnia pode assustar o leitor. Não tanto pelo cinismo, que já é típico da esquerda pequeno-burguesa, capaz de todo tipo de manipulação e falsificação para justificar as suas capitulações. Mas sim pelo fedor de um cadáver tão apodrecido que Jones Manoel resolveu desenterrar: a velha acusação stalinista de que os trotskistas estariam alinhados com o imperialismo para afundar as revoluções operárias.

Aqui, não por uma coincidência, há dois debates que precisam ser feitos. Ambos se complementam e servem para estabelecer de maneira incontestável qual a posição científica — isto é, marxista — diante da questão. O primeiro debate é o de que o sujeito que se arroga no direito de criticar a esquerda por colaborar com o imperialismo é, ele próprio, um colaborador de primeira linha, tendo apoiado o golpe de Estado no Brasil e servido de cabo eleitoral para um candidato que diz que a Venezuela não é democrática. O segundo é que o trotskismo não só não está alinhado com o imperialismo, como é o setor mais consciente do proletariado no sentido de denunciar os vergonhosos acordos entre a burocracia stalinista da União Soviética e a burguesia internacional.

Comecemos pelo primeiro debate.

O período no qual Jones Manoel iniciou a sua atividade política — e que é o mesmo até este momento — é o da nova ofensiva do imperialismo diante da crise econômica de 2008. A partir de então, foram orquestrados uma série de golpes de Estado, a extrema-direita começou a levantar a cabeça, os regimes capitalistas foram se mostrando cada vez mais fragilizados e os ataques contra a classe operária se tornaram ainda mais duros. Apenas uma única organização foi capaz de analisar corretamente os acontecimentos deste período, elaborar uma política acertada e intervir com alguma influência na situação: o Partido da Causa Operária.

Comprovando, pela experiência prática, ser a vanguarda do movimento operário brasileiro, o PCO previu, ainda em 2013, o golpe contra os governos do PT, fez uma campanha nacional contra a prisão do ex-presidente Lula, organizou os mais importantes atos pela sua liberdade, denunciou a fraude eleitoral de 2018, lançou a campanha pelo Fora Bolsonaro, defende incondicionalmente o regime chavista, criticou as capitulações do kirchnerismo e de Evo Morales, denunciou a fraude em torno do processo constituinte no Chile, elaborou um programa de combate à pandemia, saiu às ruas contra a extrema-direita enquanto a esquerda se escondia debaixo da cama e está denunciando a frente ampla no Brasil e nos Estados Unidos. E o “revolucionário” Jones Manoel??

Enquanto a direita preparava o golpe contra o PT, Jones Manoel e o PCB ingressaram na Frente Povo sem Medo, articulada por Guilherme Boulos (MTST e PSOL) para desgastar o governo de Dilma Rousseff. Em 2019, já durante o governo Bolsonaro, o PSOL admitiu que foi às ruas com o interesse de desestabilizar o governo petista quando lançou a famigerada campanha contra o ajuste fiscal:

Combater a direita golpista, orquestrada e financiada pelo imperialismo? Nem pensar! Jones Manoel estava saindo às ruas contra o “terrível” ajuste fiscal do governo do PT. Ajuste esse que pareceria uma reforma progressista quando comparado ao arrocho do governo golpista de Michel Temer… Na época, o youtuber chegou a bradar, com orgulho: “não entramos na histeria do golpe”. Boulos, Jones Manoel, o PSOL e o PCB ajudaram a derrubar o governo do PT, na medida em que não fizeram campanha alguma contra o golpe e, ainda por cima, tentaram jogar a população contra um governo que estava sendo derrubado. Isso sim é um perfeito exemplo de alinhamento com o imperialismo.

No caso do ex-presidente Lula, a política de Jones Manoel foi a mesma. Jones Manoel e o PCB se recusaram a fazer qualquer tipo de campanha contra sua prisão. Sequer participaram dos atos em Curitiba em maio e setembro de 2017, quando Sergio Moro pretendia sequestrá-lo. No dia de sua prisão, afirmaram que se tratava de uma arbitrariedade, mas, até hoje, não tomaram qualquer ação efetiva sobre isso. Durante o tempo em que Lula esteve preso, nem mesmo procuraram participar dos comitês Lula Livre.

Em entrevista recente de Jones Manoel, cedida ao petista Breno Altman, o youtuber reafirmou sua posição:

“Na época, eu mantive a posição de que isso não deveria ser pauta central das esquerdas. Inclusive continuo mantendo a posição: isso não é pauta central das esquerdas, especialmente nos espaços em que se estavam sendo construídas as mobilizações de base. Por exemplo, em lutas pela educação, pela saúde, não se deveria empurrar o Lula Livre nessas pautas específicas”.

Ora, se nos momentos em que a população estava mobilizada, a esquerda não deveria levar a pauta da luta pela liberdade de Lula, quando então deveria fazê-lo? Em seu próprio argumento, Jones Manoel deixa claro: a liberdade de Lula, maior perseguido político do imperialismo no atual regime brasileiro, só deveria ser instrumento de demagogia, e não de uma luta real.

A consciência política é algo prático. Os trabalhadores compreendem aquilo que precisam compreender a partir de sua experiência prática, e não de uma propaganda genérica. Sendo assim, o melhor momento para explicar às massas o problema do poder político, expresso claramente na perseguição a Lula, seria justamente o momento em que os trabalhadores estivessem mobilizados. Do contrário, trata-se de uma política ultra-oportunista: em vez de lutar para educar as massas sobre a base de um programa, Jones Manoel prefere mantê-las sob a direção das pressões da classe dominante.

A capitulação em relação à prisão de Lula continuou nas eleições de 2018. Jones Manoel não defendeu sua candidatura — a única capaz de vencer diante do xeque dado pelos golpistas — e, ainda, apoiou a candidatura de Fernando Haddad, que cumpriu justamente o papel de referendar o golpe dado contra a candidatura de Lula. Resultado dessa política: o candidato do imperialismo, o fascista Jair Bolsonaro, saiu vitorioso. Não bastasse esse erro colossal, o youtuber decidiu insistir na posição: reconheceu a eleição fraudulenta e se recusou a fazer campanha pelo Fora Bolsonaro.

Na América Latina, a posição de Jones Manoel é igualmente desastrosa. Embora faça demagogia com a Venezuela, o youtuber atuou nos últimos meses como um dos principais cabos eleitorais de Guilherme Boulos, o candidato da frente ampla em São Paulo. Jones Manoel não criticou Boulos em momento algum, embora se tratasse de um candidato profundamente direitista e integrado ao regime. Sua candidata a vice-prefeita, Luiza Erundina, que esmagou a greve da CMTC, também foi plenamente poupada pelo youtuber. E um dos aspectos mais direitistas de Boulos que foi ignorado por Jones Manoel está relacionada com a política na América Latina: fazendo eco ao imperialismo, que quer invadir Cuba e Venezuela e implantar uma ditadura da política neoliberal, Boulos afirmou: “não tenho como modelo nem Cuba, nem Venezuela. Para mim não é modelo de democracia”.

Jones Manoel também não criticou a capitulação do kirchnerismo na Argentina, que consistiu na desistência da candidatura de Cristina Kirchner e no apoio a Alberto Fernández, uma espécie de “Fernando Haddad argentino”. Não raramente, o youtuber ainda aplaude alguma demagogia do governo Fernández, como no caso de sua política em relação aos LGBTs:

“Argentina estabelece cota de transgêneros, transexuais e travestis no setor público. Embora a cota seja pequena – no mínimo 1% do total de servidores de cada setor -, é uma medida importante. Afinal, é mais fácil cobrar ampliação de uma política existente que criar uma nova”.

Enquanto isso, Fernández vai seguindo a cartilha do Fundo Monetário Internacional (FMI) sem qualquer crítica de Jones Manoel…

Na Bolívia, Jones Manoel não criticou as capitulações vergonhosas de Evo Morales e ainda viu com bons olhos a vitória do MAS nas últimas eleições. No Chile, o youtuber ignorou completamente que a Constituinte foi um acordo da esquerda parlamentar para manter Sebastián Piñera no poder e que sequer rompeu com uma série de prerrogativas da ditadura de Augusto Pinochet.

Em relação à pandemia, não é preciso dizer muito: Jones Manoel fez parte do grupo de pequeno-burgueses da esquerda nacional que sentia “orgulho” em não sair de casa. Enquanto isso, 200 mil pessoas morriam de coronavírus. Para aumentar o caráter reacionário e oportunista dessa política, o youtuber chegou a elogiar o parlamento quando aprovou o auxílio emergencial e esqueceu o “fique em casa” para fazer campanha eleitoral para Guilherme Boulos. Por fim, Jones Manoel, nas eleições norte-americanas, se limitou a criticar Joe Biden e não puxar voto nele, sem denunciar que ele era o candidato do imperialismo de fato e que havia uma operação da burguesia internacional para promovê-lo. Também não denunciou que as eleições foram fraudadas. No Brasil, sua integração total à frente ampla se consolidou na campanha de Guilherme Boulos.

Em todos os momentos mais decisivos da situação política, Jones Manoel sempre esteve alinhado ao imperialismo. E quem seria, neste caso, sua antítese, capaz de atuar corretamente nos momentos mais importantes da luta de classes durante os últimos 12 anos? Ironicamente, o partido do trotskismo no Brasil. E isso não é coincidência alguma. O trotskismo é a defesa viva do marxismo, a luta implacável contra as tentativas de revisar o marxismo para cumprir com os interesses escusos da colaboração de classes. É, neste sentido, a mais importante arma na luta contra a confusão política e, portanto, a doutrina com maiores condições de intervir acertadamente na realidade.

O método covarde de falar em “algumas organizações” sem citar quais são é apenas uma manipulação de muita má fé operada pelo youtuber. Há, de fato, várias organizações que se autointitulam “trotskistas”,  mas que são agrupamentos pequeno-burgueses que defendem a “democracia” imperialista. No entanto, isso não tem qualquer importância: o trotskismo vive no PCO, que provou ser o partido do trotskismo, e não nas organizações que dizem ser o que não são. Não fosse assim, bastaria que uma pessoa falasse que é comunista, para que sua prática passasse a ser uma referência para o que o comunismo é ou não. Esse critério é, inclusive, antimarxista, uma vez que o próprio Karl Marx dizia que, em política, não se pode analisar os objetos a partir do que dizem ser.

Chegamos, agora, ao segundo debate.

Se não é uma coincidência o fato do PCO ser a vanguarda consciente da luta contra o golpe e ser trotskista, também não é coincidência Jones Manoel ter esse histórico de capitulações e adaptações vergonhosas e ter uma afinidade de tipo ideológica com o que se chama de “stalinismo” — isto é, com as práticas da burocracia soviética para se manter no poder. As diversas tentativas de defender a “figura” de Josef Stálin, como na propaganda da obra extremamente medíocre de Domenico Losurdo, é uma tentativa de lhe blindar das críticas que a política de colaboração de classes naturalmente desperta. Isto é, se na Câmara dos Deputados a esquerda pequeno-burguesa defende hoje uma aliança com Rodrigo Maia (DEM), embora não haja um argumento racional para isso, Jones Manoel poderá contrapor o crítico com uma “carteirada” stalinista: Stálin, o “mito”, fez um acordo com Winston Churchill; portanto, é possível um acordo com Maia.

Os métodos covardes e desonestos da pequena burguesia, desprovida de um programa e de princípios políticos, não deve influenciar os militantes sinceros da esquerda. É preciso destinar todas as energias à construção do partido revolucionário e combater, de maneira implacável e tenaz, todas as correntes oportunistas que visam a infiltrar a pressão da burguesia nas fileiras do movimento operário.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas