Futebol e Capitalismo
O futebol, sem dúvida nenhuma, é uma fábrica de entretenimento, mas na virada para o século XX, se consagrou como um empreendimento onde o jogo se tornou um produto de mercado
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
futebol
Ilustração de um gol | Daniel Gois

O futebol, sem dúvida nenhuma, é uma fábrica de entretenimento, mas na virada para o século XX, se consagrou como um empreendimento onde o jogo se tornou um produto que, colocado no mercado, é consumido pelos milhões de torcedores espalhados por todo o planeta, onde os Clubes são empregadores, e os atletas seus empregados. 

Decididamente, aí estão todos os ingredientes que colocam essa indústria de entretenimento no cenário capitalista, e uma demonstração muito clara de disputa, não só  pela bola, mas pelo bom salário, pelas condições dignas de trabalho, que resumidamente pode-se dizer: uma luta de classes.

O palco onde ela é travada, os campeonatos, são verdadeiramente os mercados da bola de sua localização e o palco de onde o reflexo nas relações desenroladas em campo, sendo fator decisivo o econômico, que embora estejam inseridos numa trama de globalização, são marcados pelos dramas e alegrias de regiões onde localizam, sendo determinantes se  centrais ou periféricas, tendo como referência os colonizadores e os colonizados, as nações desenvolvidas ou subdesenvolvidas, e etc.

Inserir neste contexto os campeonatos Liga dos Campeões, da Europa, e a Libertadores da América, da América Latina, por exemplo, nos dá conta de muitos aspectos neste sentido.

Douglas Ceconello, jornalista e um dos fundadores do Impedimento.org, dedicado ao futebol sul-americano, escreveu no GE — Porto Alegre de ontem(18) que considera a o primeiro bem mais democrático do que o outro.

Nas razões para isso, ele levou em conta alguns dados que elencou, disse ele: “nas últimas dez temporadas, 18 times alcançaram as semifinais da competição mais importante do futebol europeu, enquanto no continente sul-americano foram 28 clubes diferentes. Aqueles que chegaram na antessala do sonho na Europa representavam seis países, em um total de 54 confederações, e na América do Sul foram nove nações representadas entre as onze que participaram (incluindo o México, nosso amigo folgado). Apenas o Perú e a Venezuela não classificaram nenhum semifinalista na última década.”

Ele continua com: “três clubes europeus ocuparam a metade das 40 vagas em semifinal nesse recorte de tempo: Real Madrid (oito), Bayern (sete) e Barcelona (cinco). Recordista em presenças entre os quatro melhores, os merengues ficaram ausentes justamente das últimas duas edições.

Na contrapartida, lembra que na Libertadores, diferente do que acontece com o campeonato na Europa, a Liga das Campeões, o equilíbrio na disputa era muito maior, permitindo a participação em semifinais e finais de times variados sem que houvesse a predominância, vejamos: 

“Algumas edições da Libertadores atrás, o equilíbrio na América do Sul era até maior, já que nos três últimos anos River Plate, Boca Junior e Grêmio tornaram-se presenças assíduas nas semifinais. Os dois gigantes argentinos, aliás, são os recordistas da década em participação nessa fase do torneio (quatro vezes cada um), enquanto o Tricolor gaúcho chegou por ali nas últimas três edições. Ou seja: precisamos urgentemente retomar a nossa desorganização financeira e administradora e permitir que se repita algo como a épica semifinal de 2014, com quatro clubes jamais campeões: Bolívar (BOL), Nacional, o Querido (PAR), Defensor (URU) e San Lorenzo (ARG), que enfim sairia da fila libertadora.”

Embora os dados sejam conclusivos para que Douglas chegue à conclusão de ser a Libertadores um campeonato mais democrático, não resta dúvida de que o que ele chama de democrático ou antidemocrático, está estritamente relacionado com o poder concentrado do capital em uma região Central, como é a Europa, e a dominação do mercado se fazer de forma mais decidida por um grupo mais poderoso e controlador, ao passo que na América Latina, dada a briga destacada de grupos nacionalistas burgueses na criação de um mercado interno ser mais atuante, isso implicaria em um controle menor e uma lucratividade mais distribuída, embora não seja menos elitista.

O desenvolvimento é desigual para os Clubes. Há, contudo, na América Latina pelo menos dois fatores que contribuem para que o controle diminua e os clubes menores tenham alguma chance, afinal. O primeiro está no fato de, principalmente o Brasil, sermos uma fábrica de craques. Todo dia nasce um novo, e pode ser visto e muitos jogos de “várzea”, o outro é que, quando um craque é descoberto, em todas as transações desse craque no futuro, o clube de base que o revelou ganha um percentual e tenha chance de crescer, fazendo com que alcancemos o resultado de termos, por exemplo, só no Brasil, mais times que em toda a Europa.

Dessa forma, o futebol ganha mais expressão, mas está longe de se tornar um empreendimento que fuja da luta de classes, onde as relações são tratadas de forma a considerar as regras capitalistas.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas