Ditadura
O filho do presidente ilegítimo, quer impor censura usada na ditadura para punir artista. O filho fascista aponta que há ‘indícios consistentes’ de crime de ameaça contra seu pai
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
bolsonaro_drag (1)
Imagem feita pelo artista Diadorim está sendo investigada como incitação à violência | Foto: Reprodução

O artista carioca Diadorim foi indiciado pela polícia, que serve à burguesia como cães de guarda, no setor da Delegacia de Repressão aos Crimes de Informática (DRCI) do Rio de Janeiro, com base na Lei de Segurança Nacional. Devido a uma obra de performance artística, onde uma drag queen posa com uma réplica da cabeça do presidente ilegítimo da república Jair Bolsonaro. De maneira hipócrita, Carlos Bolsonaro, o filho do presidente genocida, considera a obra uma incitação à violência, sendo registro da notícia-crime. Sendo essa, mais uma medida ditatorial e de censura realizada pela direita, onde o país caminha para o fechamento do regime e o controle de toda a esquerda, de todo o povo.

“No futebol, um tiro livre é a chance de interromper o jogo por um momento e corrigir uma falta. Na democracia, a liberdade de expressão é a força esclarecedora que impede os tiranos de escaparem imunes do assassinato“, explica o coletivo ativista Indecline, que promove o projeto chamado Freedom Kick, onde encomenda esculturas de cabeças de líderes políticos e envia aos países “mais afetados” pelas políticas deles e propõem o uso do artefato para jogar futebol.

Na ocasião, Carlos Bolsonaro mandou e-mail para o titular da delegacia, dizendo que na postagem do artista, conhecido como Diadorim, há indícios consistentes do crime de ameaça, além de incitar crime contra o pobre coitado do presidente, colocando esse como vítima, desviando a atenção para os verdadeiros culpados pela destruição do país. Nesta última quarta-feira, 2, a investigação foi encaminhada para a 44ª Promotoria de Justiça de Investigação Penal Especializa. Isso mostra o quanto a ditadura está se acirrando, pois trata-se de uma clara intimidação e censura. Esse não é o primeiro e nem será o último caso. 

Um outro exemplo é o filme “Marighella” , que deveria ter estreado em 20 de novembro de 2019, mas foi adiado após a produtora ter pedido de prazo de uma proposta. cujo o verdadeiro objetivo era obter recursos para financiar a distribuição da obra, negado pela Agência Nacional de Cinema (Ancine). Para Wagner Moura, diretor do filme, a negativa teve motivações políticas. O filme é uma cinebiografia de Carlos Marighella, baiano de Salvador/BA, ex-deputado, poeta e revolucionário marxista-leninista brasileiro que foi assassinado pela ditadura militar em novembro de 1969. A história é uma adaptação do livro de 2012 “Marighella – O Guerrilheiro Que Incendiou o Mundo”, de Mário Magalhães. Mesmo sem estreia nacional, a obra passou por cinco festivais internacionais, inclusive o famoso Festival de Berlim.

A censura da arte é mais um sintoma do fascismo covarde que está rodeado o nosso país, usando o medo como controle da população. O atual regime e seus simpatizantes, perseguem toda e qualquer forma de oposição política, seja ela cultural, acadêmica ou organização popular. É preciso lutar contra o governo Bolsonarista e todos os seus apoiadores fascistas, dizer não a censura contra a arte e a cultura!

 

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas