Siga o DCO nas redes sociais

Peru
Lava Jato demoliu regime político
País enfrenta crise do fracasso de todas as alas da frágil burguesia peruana diante da pressão do imperialismo sobre todo o Continente e da ausência de uma alternativa de esquerda
peru
Peru
Lava Jato demoliu regime político
País enfrenta crise do fracasso de todas as alas da frágil burguesia peruana diante da pressão do imperialismo sobre todo o Continente e da ausência de uma alternativa de esquerda
Mobilização em Lima: sem uma política independente dos explorados
peru
Mobilização em Lima: sem uma política independente dos explorados

Na última  quarta (dia 2), o governo peruano anunciou que considera que não tem validade a renúncia apresentada pela vice-presidente Mercedes Aráoz, na véspera, em meio à crise institucional que toma conta daquele país.

Segundo declaração à imprensa local do primeiro-ministro peruano, Vicente Zeballos, a desconsideração se deveria ao fato de que Aráoz apresentou sua demissão para o Parlamento que a nomeou “presidente interina” e que, na véspera, havia sido dissolvido pelo presidente da República e chefe de Estado, Martín Vizcarra (ao centro, na foto). Para Zeballos, ela continua sendo vice-presidente do Peru. Há 27 anos, o Congresso não era dissolvido no País.

Durante algumas horas, o Peru chegou a ter dois presidentes da República. Uma situação que levou à OEA (Organização dos Estados Americanos), a se pronunciar no sentido de que a Suprema Corte do País deveria resolver o impasse, tornando evidente a divisão não apenas da burguesia peruana, mas de todo o continente e do imperialismo norte-americano diante da crise.

No documento de sua renuncia – encaminhado ao presidente do Parlamento, Pedro Olaechea -, Aráoz, se pronunciou pela antecipação das eleições no País e destacou o “rompimento da ordem constitucional no Peru”.

A crise no país visível a todo mundo com os acontecimentos dessa semana, expõe o enfrentamento entre burguesas lideradas pelo presidente Martín Vizcarra e a oposição dominado pelos fujimoristas, eclodiu em torno da disputa sobre a nomeação de juízes do Tribunal Constitucional.

Com apoio do Exército e da Policia, o governo, depois de fechar o Parlamento, convocou eleições legislativas para o próximo dia 26 de janeiro e  tenta colocar em funcionamento uma Comissão Permanente do Parlamento, para dar a aparência de normalidade ao funcionamento ditatorial adotado.

As contradições no interior da burguesia e da direita, levaram a um confronto as instituições do Estado burguês, aprofundando a instabilidade do regime, que avança no caminho da sua desintegração.

A crise atual é a continuidade da ação “lava jatista” levada adiante no Peru que, em 2016, provocou a renúncia do presidente eleito Pedro Kuczynski, diante de acusações de corrupção, e à posse do seu vice, o atual presidente.

Em outras palavras, a crise no Peru, é um produto direto dos golpes de Estado impulsionados pelo imperialismo mundial, principalmente o norte-americano, em nosso Continente. Particularmente, é um subproduto do golpe no Brasil, uma vez que a operação golpista Lava Jato – comandada pelo Departamento de Estado dos EUA -, estendeu seus tentáculos por vários países da região. Governado pela direita e com uma economia frágil, o Peru foi um alvo fácil dessa operação.

No país vizinho, formou-se uma “Lava Jato peruana”, uma máquina de perseguição a determinados setores sem vínculos mais profundos com o imperialismo norte-americano – neste momento – sobre o velho pretexto do “combate à corrupção”, o que vem causando uma demolição em todo o regime político peruano, atingindo praticamente todos os partidos e políticos tradicionais do país.

Dentre outros foram alvos dos conhecidos processos jurídicos “lavajatistas” contra a corrupção, Ollanta Humula, do Partido Nacionalista Peruano, que o governou o país de 2011 a 2016, Alan García, do APRA, que cumpriu dois mandatos na presidência (1985-1990 e 2006-2011), e Pedro Pablo Kuczynski, do Peruanos por el Kambio (PPK), que ficou no cargo de 2016 a 2018 — todos e terminaram ou presos (Humula e Kuczynski), ou cometendo suicídio (García), ou renunciando à presidência ( Kuczynski). Keiko Fujimori, filha ex-presidente “neoliberal” Alberto Fujimori (o FHC do Peru) e líder do partido Força Popular, também foi atingida pela operação e terminou presa.

O pivô dessa crise foram as denuncias do pagamento de propina a esses e outros políticos pela, então, maior empreiteira brasileira, a  Odebrecht que admitiu, em 2016, subornos de US$ 29 milhões, cerca de R$ 120 milhões, às autoridades peruanas entre 2005 e 2014.

O que se destaca no Peru é a ausência, por hora, de uma alternativa política própria dos trabalhadores diante da crise que precisa ser construída com independência das duas alas da burguesias, totalmente impotentes diante do imperialismo golpista.