Mato Grosso
O grileiro Marcello Bassan é apontado como autor de queimadas no pré-assentamento Boa Esperança, município de Novo Mundo, que visam assassinar as famílias e arrasar a terra.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
queimadas-pantanal-mt5145
Queimadas avançam por todo o centro-oeste brasileiro, estimuladas por Jair Bolsonaro. | Gustavo Basso.

Entidades de defesa dos direitos humanos denunciam que o grileiro Marcello Bassan está ateando fogo em terras públicas da União, ocupadas no estado do Mato Grosso. A ideia do grileiro é queimar a área para expulsar as famílias do pré-assentamento Boa Esperança, localizado no município de Novo Mundo, região norte do MT.

Desde o último sábado (12), as chamas avançam. As famílias assentadas relatam que o fogo veio da sede da Fazenda Araúna, de propriedade do grileiro. Cerca de 90% da área ocupada pelas famílias, de 4.500 hectares, foi queimada, com a destruição de casas, plantações, cercas e mortes de pequenos animais. A intenção é, acima de tudo, assassinar as famílias que moram no pré-assentamento e reivindicam a reforma agrária.

As queimadas no Mato Grosso já destruíram 12% do bioma Pantanal. Informações divulgadas pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) apontam para o crescimento de 220% nos incêndios neste ano. O total de focos de incêndio é superior a 7 mil, o que caracteriza um recorde histórico.

As famílias registraram boletins de ocorrência na Polícia Civil de Guarantã do Norte e cobraram do governo estadual uma posição.  Contudo, o que se visualiza é a completa cumplicidade das autoridades políticas, policias e judiciárias com os fazendeiros e seus pistoleiros. Estes desfrutam de total impunidade, mesmo que causem uma enorme destruição ambiental e se utilizem do fogo para, deliberadamente , tentar assassinar famílias inteiras.

O governador direitista Mauro Mendes Ferreira (DEM) é um representante político dos latifundiários, que controlam o aparelho estatal no Mato Grosso.  O poder público é direcionado para atender aos interesses dos ruralistas, interessados na exportação de produtos agrícolas. Um dos estados mais violentos, com maiores índices de conflitos no campo, é justamente o Mato Grosso.

O presidente Jair Bolsonaro (ex-PSL, sem partido) tem na bancada ruralista, um dos agrupamentos políticos maiores e mais influentes do Congresso Nacional, um dos pilares fundamentais de sustentação de seu governo. O próprio presidente fascista reconhece que estimula o avanço do latifúndio sobre os assentamentos e combate os movimentos de luta pela terra.

O crescimento  recorde das queimadas têm estreita relação com os interesses dos latifundiários, que, apoiados por Bolsonaro e todo o bloco político golpista (DEM, PSDB, MDB, Progressistas, Republicanos, PL, PSD), que buscam se apropriar das terras públicas e extinguir os assentamentos e acampamentos no país. É preciso que os movimentos de luta pela terra se organizem e combatam os latifundiários, a partir da reivindicação democrática de reforma agrária, para com isso quebrar o poder econômico e político do latifúndio exportador.

 

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas