Latifundiários começam guerra contra indígenas após vitória de Bolsonaro

Jair Bolsonaro

Aberta a temporada de caça aos povos indígenas. Após a vitória de Jair Messias Bolsonaro, latifundiários recebem carta branca para travar uma guerra contra famílias indígenas. Os latifundiários são um dos grupos ultrarreacionários que estão sustentando politicamente Bolsonaro. A vitória fraudada de Jair abriu um “portal do inferno” para acabar com os camponeses e índios. Já aconteceram alguns ataques nas regiões de MS, AL e PE.

Pernambuco: Em Jatobá, interior de Pernambuco, um posto de saúde e uma escola foram incendiados. Essa região é zona permanente de conflito entre latifundiários e indígenas. Desde a vitória  de Jair, os indígenas estão recebendo ameaças constantes de jagunços e posseiros.  Isso nada mais é que o resultado do golpe de estado que se aprofunda.

Mato Grosso do Sul: O acampamento Sebastião Bilhar, do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), sofreu um incêndio criminoso na noite do dia 27 de outubro (sábado). Poucos segundos antes do incêndio, testemunhas viram um grupo em uma caminhonete gritando o nome de Bolsonaro.

Alagoas: No domingo à noite, durante a comemoração da vitória fraudada de Jair Bolsonaro, a sede da Central Única do Trabalhadores (CUT) foi alvo de dois disparos de arma de fogo. O curioso é que ,no momento da comemoração,, conforme visto nas redes do sociais, um grupo da polícia militar marchava, porém , ao ser questionada a respeito, a polícia justificou ser apenas um procedimento normal.

Esses atos da extrema direita estão totalmente relacionados com o aprofundamento do golpe. Com essa vitória, todos os fascistas se veem no direito de praticar toda sua selvageria. Os latifundiários e fazendeiros partirão com toda truculência para cima de centenas de famílias trabalhadoras com a tentativa de exterminá-las do mapa para que possam protagonizar ainda mais o seu venenoso agronegócio.  No meio de tudo isso, Jair e toda sua corte fascista querem incriminar os movimentos sociais como o próprio MST e o movimento dos sem teto assim como os sindicatos que fazem oposição a toda exploração dos trabalhadores da cidade e do campo.

É preciso urgentemente criar comitês de luta e autodefesa na cidade e no campo, pois o fascismo só se combate com o anti-fascismo. É fundamental mobilizar toda a classe trabalhadora para derrotar a extrema direita e o golpe de estado que se aprofunda a cada dia.