Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
las-sandinistas-123649_-_h_2018
|

O documentário “¡Las Sandinistas!”, que retrata a participação feminina na Revolução Sandinista, da americana Jenny Murray, foi premiado com o Troféu Bandeira Paulista da Mostra de Cinema São Paulo, que terminou nessa quarta (31).  A opção pela produção de cunho político e de esquerda se manteve, com a escolha de “Torre das Donzelas” para o Prêmio Petrobras, drama que retrata a história do Presídio Tiradentes na época da ditadura militar. Esse era o local para o qual eram encaminhadas as detentas vindas de guerrilhas, dentre elas, a ex-presidenta Dilma Rousseff. O critério de premiação era estabelecido pela votação dos jurados e da própria plateia, que se manifestou com gritos “ele não”, associando a ditadura militar com o presidente eleito pela fraude Jair Bolsonaro.

A Revolução Sandinista de 1979 foi a culminação de anos de batalha das diversas forças de resistência nicaraguense contra a ditadura da família Somoza que representava os Estados Unidos na Nicarágua. Essa ditadura havia sido estabelecida por meio de um golpe imperialista em 1936, após a morte do então líder da resistência antiimperialista, o general  Augusto César Sandino. Ele viria, então, a ser o símbolo da resistência que levou à Revolução Sandinista, que recebeu o seu nome como homenagem. A luta contra a opressão dos Somoza se deu através de uma luta de guerrilhas, cuja principal frente foi a Frente Sandinista de Libertação Nacional. A vitória da guerra veio em consonância com a Revolução Cubana de 1959, fato que incitou um amplo apoio popular aos movimentos de resistência armada nicaraguense. Os principais feitos do governo vitorioso foram a reforma agrária e a chamada “Cruzada Nacional de Alfabetización”, que reduziu os níveis de analfabetismo de 50% para apenas 12% a nível nacional. Uma das características dessa revolução foi a participação de setores importantes da Igreja Católica, adeptos da “Teologia da Libertação”. Essa presença, contudo, veio a representar uma importante força conservadora que levou o governo revolucionário a ceder em questões importantes, como foi feito com as reivindicações da luta feminina.

O filme retrata a história das mulheres que lutaram nas guerrilhas da Frente Sandinista de Libertação Nacional (FSLN) contra as tropas da ditadura Somoza apoiada pelo governo imperialista norte-americano. A participação feminina na batalha foi de fundamental importância para a vitória da FSLN, a exemplo de Dora Maria Tellez, uma jovem estudante de medicina que se tornou uma das lideranças do exército sandinista. A importância das mulheres na vitória da revolução, contudo, foi negligenciada pelos governos posteriores que acabaram estabelecendo uma coalizão de acordo com setores da burguesia, fato que acabou por levar à descaracterização do governo operário e ao posterior  restabelecimento da lógica capitalista. Isso implicou na marginalização das pautas femininas que, a exemplo da reinvindicação histórica pelo direito ao aborto, foram ignoradas pela Junta de Governo de Reconstrução Nacional, e os posteriores. Com o tempo, a própria memória da luta das mulheres nas guerrilhas vitoriosas foi sendo apagada da história. Contra isso, o documentário “¡Las Sandinistas!” resgata a importância da luta feminina na aliança pelo socialismo e pelo governo operário.

O documentário foi produzido a partir de uma campanha financeira. Sua história e o link para as doações estão no site  https://www.lassandinistas.com/.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas