Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit

O site de notícias InfoMoney, reproduziu trechos de uma artigo publicado no jornal britânico Financial Times, no dia 10/01/2018, analisando a crise política brasileira, a corrupção, a descrença da população com relação aos políticos tradicionais, a questão fundamental do fator Lula nas eleições e possíveis candidaturas à direita que possam se firmar e vir a polarizar com a eventual candidatura do petista, como a de Jair Bolsonaro e a do ex-presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), Joaquim Barbosa.

Como é característico da imprensa burguesa, os problemas são sempre abordados de um ponto de vista superficial. No caso do Brasil, existe um “clamor” popular contra a corrupção. Toda a questão se resumiria a uma “crise de representatividade” da classe política, desencadeada por um movimento moral e ético de combate às práticas cotidianas de corrupção.

Em certo sentido, não poderia ser muito diferente esses métodos de propaganda da imprensa burguesa. Caso não fossem assim, desnudariam todo o maquiavelismo da política do imperialismo, os seus golpes, as suas artimanhas na busca por controlar política e ideologicamente várias segmentos da população de um país, em particular, setores da classe média.

Mas o artigo teve um outro aspecto, e esse até cômico, em apresentar por um outro viés uma das “alternativas” da esquerda diante da possiblidade muito provável da cassação de Lula. Trata-se da busca desenfreada de Ciro Gomes, um político nascido no interior das oligarquias nordestinas, que se travesitiu em algum momento de sua trajetória como um político de “esquerda” ou “centro-esquerda” , mesmo sem nunca ter feito nada que o qualificasse enquanto tal, muito ao contrário.

“Um candidato está ‘lambendo os beiços’ com a possibilidade de Lula não concorrer à presidência”, asssim se referiu o Finacial Times, sobre Ciro, para completar com uma declaração do próprio candidato a respeito do assunto: “Se não tiver Lula, eu me tornarei o favorito [entre a esquerda]. Então vou bater o resto [dos candidatos] e vou passar [para o segundo turno]”.

Tem setores da esquerda como o PSTU e o PSOL que por um determinado momento achavam que a destruição de Lula e do PT abriria o caminho para uma caudalosa via láctea para suas políticas. Esses eram bobinhos. Embora não tão novos, estavam mais para marinheiros de primeira viagem.

Esse não é o caso de Ciro Gomes, um político burguês , ligado ao clã dos jereissatis, partícipe da ala mais pró-imperialista do PSDB. Ciro trabalha com a possibilidade de ser o candidato de uma “união nacional”, quem sabe contra um direitista tipo Bolsonaro.

A verdade é que Ciro Gomes se coloca no papel de virar a página do golpe, aplicar a política do imperialismo com o disfarce esquerdista. Aliás, é possível afirmar que temos até esquerdistas defendendo uma saída de consenso em oposição à radicalização que representará uma candidatura Lula. Essa é uma possibilidade apresentada pelo próprio golpe de Estado.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas