A ilusão democrática
Em entrevista escrita à agência de notícias espanhola Efe, Kamala Harris, senadora e candidata a vice-presidente do Partido Democrata comprova seu caráter reacionário.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
11539_DB768823DC6231B6
Joe Biden e Kamala Harris | Reprodução

Aos que alimentam a ilusão de que Joe Biden representa de alguma forma uma política democrática, deixemos que a própria candidata a vice-presidente nos diga o que a candidatura tão defendida pela esquerda pequeno-burguesa identitária tem a dizer dos povos oprimidos. Em entrevista escrita à agência de notícias espanhola Efe, Kamala Harris, senadora e candidata a vice-presidente do Partido Democrata comprova o caráter imperialista e reacionário da candidatura do Biden.

Quando perguntada o que faria um futuro governo seu e do candidato democrata Joe Biden para reverter as políticas que Trump adotou em relação a Cuba e se a candidata defenderia pessoalmente o fim do bloqueio, Kamala Harris responde:

“A política de um governo Biden e Harris em relação a Cuba seria regida por dois princípios: primeiro, os americanos, especialmente os cubano-americanos, são os melhores embaixadores da liberdade em Cuba. Em segundo lugar, capacitar o povo cubano para determinar seu próprio futuro é vital para os interesses de segurança nacional da América”. Ademais, “Trump está deportando centenas de cubanos de volta à ditadura [grifo nosso] e de volta à repressão do regime que só aumentou sob sua presidência. Há quase 10.000 cubanos definhando em acampamentos ao longo da fronteira mexicana devido à agenda anti-imigração de Trump. E está separando famílias cubanas por meio de restrições a visitas familiares e remessas de dinheiro”.

Ainda segundo a candidata, “vamos voltar atrás nas políticas fracassadas de Trump. E, como fez anteriormente como vice-presidente, Joe Biden também exigirá a libertação de presos políticos e fará dos direitos humanos uma peça central na relação diplomática”. “O embargo é a lei; você precisa de um ato do Congresso para levantá-lo ou precisa do presidente para determinar se um governo democraticamente eleito está no poder em Cuba. Não esperamos que nenhuma dessas coisas aconteça tão cedo”, disse.

Para a candidata, diferente do regime “democrático” dos EUA, este que impulsiona e dirige golpes de Estado mundo afora, o mesmo que apoiou o regime ditatorial de Fulgencio Batista (1952 – 1959), o regime cubano, triunfo da revolução que libertou a população da escravização imperialista estadunidense, é uma ditadura.

Sobre o ponto de vista da política externa dos Estados Unidos, e qual papel a candidata acha que a Espanha poderia desempenhar nas relações com Cuba e, em geral, com a América Latina, a “democrata” responde:

“Sob a administração de Biden e Harris, os EUA trabalharão com membros da comunidade internacional, incluindo a Espanha, para apoiar o povo cubano, bem como promover a visão de Joe Biden da necessidade de trabalhar por um hemisfério seguro, classe média e democrático”. Traduzindo as palavras da candidata, pode-se concluir, com tamanha segurança: os EUA trabalharão para infiltrar a política imperialista em Cuba, colocando o povo cubano contra a suposta “ditadura” que libertou os cubanos do “domínio democrático” dos EUA.

Como temos afirmado neste diário, a entrevista de Kamala Harris mostra o que será o governo Biden caso seja eleito. Não há a mínima condição de ser progressista se você chama Cuba de ditadura, não obstante, ela fala que Trump permitiu que essa ditadura sobrevivesse, porquanto o governo Biden não permitiria esse feito e acabaria com isso. Como? Basta seguir a cartilha imperialista para a Venezuela e apoiar a oposição de Cuba, no intuito de dar o golpe contra o governo cubano. Ademais, ficou evidente que o bloqueio econômico contra Cuba vai permanecer. Ao contrário do que prega a esquerda pequeno-burguesa desorientada, onde Kamala Harris é apresentada como uma ‘esquerdista’, ela não passa de uma agente do imperialismo que esmaga os povos oprimidos de todo o mundo. Diante disso, podemos comprovar o quão o identitarismo é uma doutrina imperialista e reacionária. Ao mesmo tempo em que Harris está fazendo demagogia, está apoiando a derrubada de um governo escolhido pelo povo, em um país como Cuba, que – incrivelmente despercebido pela esquerda pequeno-burguesa – é um país negro e oprimido.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas