Kamala é uma manipulação
Diante da crise social e politica que foi intensificada com a situação de pandemia, imperialismo lança mão do expediente de mulher negra filha de imigrantes para conter pressão
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
kamala
Imagem dos candidatos da chapa dos Democratas para eleições norte americanas | Foto: Reprodução / Suino

A Convenção Nacional do Partido Democrata oficializou nesta quarta-feira (19) o nome de Kamala Harris como candidata a vice-presidente dos Estados Unidos, um dia depois da nomeação oficial de Joe Biden  para desafiar o presidente Donald Trump na corrida à Casa Branca.

Kamala é a primeira mulher negra que concorre à Casa Branca por um grande partido com o discurso  mais firme  contra o racismo. “Vamos ser claros: não há vacina para o racismo. Nós temos de fazer o trabalho”. Com Kamala Harris na chapa, os democratas querem sinalizar que estão comprometidos com a diversidade no partido e firmar um pacto social diante da conturbada situação interna no país produto da pandemia e dos protestos anti-racista.

O tema racismo vai ser explorado intensamente pelos democratas de maneira demagógica tanto quanto a situação dos latinos, indígenas e de imigrantes em geral,

Segundo a senadora Kamala candidata a vice na chapa dos democratas que é filha de pai jamaicano e mãe indiana disse sobre o fato de negros, latinos e indígenas  serem mais atingidos pela pandemia que os brancos. “Isso não é uma coincidência. É efeito do racismo estrutural. Das desigualdades na educação e tecnologia, acesso à saúde e moradia, segurança no trabalho e transporte. A injustiça no acesso à saúde reprodutiva e maternal. No excesso de uso da força pela polícia. E no nosso sistema de justiça criminal”,

Os Democratas e os Republicanos são faces opostas da mesma moeda, ou seja, a divergência dos Democratas Kamala / Joe Biden e os Republicanos Donald Trump é na forma não no conteúdo, ou seja, o desacordo e na forma falastrona que Donald Trump  implementa o programa politico e  não no conteúdo destas politicas que tanto um quanto o outro vão aplicar politicas imperialistas.

Podemos fazer uma analogia com que acontece no Brasil, quando setores da esquerda pequenos burguesa procuram separar a direita tradicional, isto é, “a direita civilizada” da extrema direita bolsonarista. Tanto lá quanto aqui é um problema de forma e conteúdo, “os civilizados” Fernando Henrique Cardoso (FHC), Luciano Huck e Ciro Gomes e seus asseclas, tem condições de tornar as reformas do Estado que são feitas por Bolsonaro mais palatáveis, aprazíveis na sua forma, mas com o mesmo conteúdo de ataque aos trabalhadores.

Nos Estados Unidos a direita imperialista está se valendo do fato de que Kamala Harris é uma mulher negra filha de imigrantes para fazer demagogia com os explorados, por trás dessa demagogia, está à velha política do imperialismo, a política de dura repressão ao povo negro e de ataques aos direitos democráticos e trabalhistas das mulheres e dos explorados em geral. Assim como lá quanto aqui, só um governo dos trabalhadores da cidade e do campo pode dar uma saída aos explorados (negros, indígenas, latinos). Só a classe trabalhadora com sua organização é de fato a alternativa para os problemas do regime capitalista.

 

 

 

 

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas