Justiça venezuelana acusa mais três deputados coxinhas de participarem de golpe de Estado: prisão para os golpistas!

TSJ Caracas

Da redação – Nessa quarta-feira (08), a Câmara Plenária da Corte Suprema de Justiça (TSJ) da Venezuela determinou a responsabilidade de três outros deputados pela tentativa de golpe de estado do dia 30 de abril. Os acusados são Freddy Francisco Superlano Salinas, Sergio de Jesus Vergara Gonzalez e Juan Andrés Mejia Szilard.

Com eles, sobe para 10 o número de deputados coxinhas acusados de “traição, conspiração, incitação à revolta, rebelião civil, a conspiração, usurpação de funções, o incitamento público à desobediência das leis e do ódio continuado”. Dos 10, já foi preso o deputado Edgar Zambrano, vice-presidente da Assembleia Nacional. Esta entidade está fora da lei venezuelana, não sendo reconhecida por nenhum poder da República desde o final de 2015, quando, para conquistar maioria na Casa (que era o parlamento até então), a direita fez uso de fraudes escandalosas. A Justiça Eleitoral não reconheceu a eleição de três deputados de direita, devido à compra de votos comprovada, mas a oposição infligiu a lei e manteve os deputados para ficar com a maioria da Casa. Desde então, a Assembleia Nacional não é reconhecida, estando oficialmente “em desacato”.

Em 2017, foi convocada uma Assembleia Nacional Constituinte, na qual milhões de venezuelanos votaram para modificar a constituição em vigor, criando uma nova entidade legislativa, formada em sua maioria por trabalhadores, jovens, camponeses e políticos chavistas, uma vez que a maior parte da oposição golpista decidiu boicotar (como sempre ocorre quando sabe que vai perder). A ANC, atualmente, ocupa as funções tradicionalmente seguidas pelo Parlamento, mas a direita segue utilizando a Assembleia Nacional em desacato para fingir uma legitimidade institucional, com apoio direto do imperialismo. Como ela, legalmente, não existe, Juan Guaidó, seu presidente rotativo, não tem a menor condição legal de se reivindicar presidente da Venezuela. Mas o governo venezuelano, mesmo apoiado nas forças populares, continua permitindo e mesmo protegendo as atividades conspirativas dessa instituição, que só conta com os deputados artificiais da direita e ninguém mais.

A política de Maduro de prisão aos golpistas deve continuar até chegar em seus líderes, Juan Guaidó e Leopoldo López, dois cachorrinhos do imperialismo que conspiram contra a Venezuela em plena luz do dia. No último período, já foram diversas tentativas fracassadas de golpes de estado e sabotagem da nação. Inclusive, chegando ao absurdo de pedir a potências estrangeiras que invadam o seu próprio país, configurando um claro atentado contra a Venezuela e seu povo, que pede cada vez mais uma medida enérgica contra a direita golpista.