Ditadura do judiciário
Justiça não vê problema no retorno às aulas sem vacina contra coronavírus, mas se “preocupa” muito com o povo, quando o assunto é eleição
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
16276278
Manobra arbitrária do Judiciário proíbe comício em quatro cidades da Paraíba | Reprodução/Facebook/Neusa Cadore

A juíza da 44ª zona eleitoral, Higyna Josita, proibiu eventos nas cidades de Pedras de Fogo, Pilar, Juripiranga e São Miguel de Taipu. Na classificação dos eventos proibidos estão as carreatas, motorreatas, comícios, e passeatas.
De acordo com a decisão, a proibição aconteceu com base no “Plano Novo Normal”, do governo do estado da Paraíba, que estabelece normas de segurança e distanciamento social devido a pandemia do coronavírus.
A juíza também considerou a situação da pandemia nas cidades, especialmente o município Pedras de Fogo, que mudou da bandeira amarela para a laranja em relação aos riscos de contaminação.
Estão liberados nesses municípios apenas a realização de palestras, seguindo o distanciamento social, a higienização pessoal, limpeza e higienização de ambiente, comunicação e monitoramento das condições de saúde – a mesma demagogia de sempre – “sob pena de incorrerem nos crimes previstos nos art. 132 e 268 do Código Penal, além do crime eleitoral previsto no art. 347 do Código Eleitoral”.
O “Plano Novo Norma”, é um decreto que estabelece diretrizes para o retorno das aulas presenciais na dos sistemas educacionais da Paraíba e demais instituições de ensino superior.
A execução do plano está vinculada ao resultado de inquérito sorológico que analisa o impacto da retomada das atividades educacionais presenciais na prevalência da contaminação do coronavírus na Paraíba, realizado pelas autoridades sanitária e de educação do Estado.
As análises que serão obtidas vão subsidiar as estratégias de retorno gradativo das atividades nas turmas nas diversas etapas e modalidades de ensino.
Ou seja, para fazer comícios e carreatas para levar as propostas dos candidatos ao povo, não pode, mas o retorno às aulas sem a vacina para um vírus que já matou mais de 150 mil pessoas por todo o país, especialmente em Pedras de Fogo – que teve de retroagir da bandeira amarela para a laranja em relação aos riscos de contaminação – isso pode sem problema nenhum.
O que podemos observar, é uma verdadeira maracutaia contra o povo, em plena corrida eleitoral. Tudo isso não passa de uma manobra totalmente arbitrária do poder Judiciário, fazendo com que as eleições sejam manipuladas, de acordo com o bel-prazer da burguesia parasita, que insiste com o seu jogo de cartas marcadas, especialmente nessas regiões onde o “coronelismo” é o que dita as regras.
O Judiciário permite todo tipo de crime contra o povo, como a volta às aulas e o abarrotamento dos transportes públicos nas cidades, mas na hora das eleições, se mostram muito “preocupados e zelosos” com a saúde da população.
Tudo isso é apenas para tornar as eleições mais antidemocráticas e direitistas, onde a burguesia já marcou as suas cartas.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas