Falência da Educação no MS
AGU recorre e justiça federal aceita a continuação do ensino remoto na UFMS.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
2568410490_2dd1b601f8_k
Justiça não atende os anseios dos estudantes | Gerson Martins / flicker

Por meio da justiça, e sem consultar os alunos, como é de praxe, as aulas na UFMS (Universidade Federal do Mato Grosso do Sul) continuarão com o Ensino Remoto. Usando argumentos como se estivesse preocupado realmente com os alunos, a AGU (Advocacia Geral da União) relatou que o pedido “prejudicaria o aprendizado dos estudantes e atrasaria o ano letivo, adiando colações de grau e impossibilitando inclusive a abertura de novas turmas”

“Em razão do possível tempo de duração da pandemia, (os alunos) perderão o semestre letivo e, caso os efeitos da pandemia se estendam ao segundo semestre de 2020 ou em 2021, poderão perder o ano letivo”, ressaltou nos autos o Procurador Federal João Batista Martins.

O pedido da suspensão do ensino remoto e do calendário acadêmico foi feito por sindicatos, mas sem sucesso visto que os mesmos não organizam protestos. Os estudantes estão abandonados porque os órgãos que deveriam representar e lutar por estes, não fazem absolutamente nada.

O judiciário é um órgão de classe e não atua em favor dos interesses dos estudantes. Favorecem sempre sua classe, a burguesia. Atuam sempre na parcialidade. Dentro desses órgãos quem sempre tem benefício e prioridade é a burguesia.

A UFGD também teve que acatar a decisão e manter o ensino remoto. Na decisão o Procurador Federal Fausto Ozi, que atuou no caso da UFGD (Universidade Federal da Grande Dourados) disse descaradamente que a decisão foi fundamental para viabilizar as políticas públicas de educação. A 2ª Vara Federal de Dourados reconheceu que “para evitar o integral sacrifício do direito constitucional à educação paralisado durante a pandemia, mostra-se perfeitamente adequada a retomada do ensino na medida do possível e mediante ferramentas que contribuam para a preservação do distanciamento social, como ocorre com o ensino remoto”.

Mais uma decisão que atende os anseios e interesses da burguesia. Os estudantes sofreram mais uma dura derrota. Mais um golpe. O regime político vem crescendo e junto com ele o fascismo de impor a volta as aulas a qualquer custo. O que se tem visto antes e durante a crise causada pela Covid-19 é que os sindicatos não vêm atuando. O que se vê é apenas um teatro e nada mais.

A juventude deve unir forças urgentemente e organizar a mobilização enérgica contra interesses econômicos, e principalmente reforçar a luta dos estudantes contra o EAD e o ensino remoto que não favorecem em nada. Só ajuda cada vez mais a enterrar a educação que já se encontra em falência.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas