É o pobre enriquecendo o rico
Os juros, a inflação, o desemprego e tudo o mais fazem com que a renda do trabalhador vá em maior quantidade para os empresários. Ai o pobre fica mais pobre e o rico fica mais rico
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
13610409673_714574c057_z (1)
Cartão de crédito | Foto: Akem 2013

Matéria do jornal Estadão economia destaca a escalada dos juros do rotativo e cartão de crédito. Chegaram a 317,5% ao ano em outubro, enquanto que em setembro estava em 309,7% ao ano. O índice corresponde a aumento de 7,8% nos dados do Banco Central.

A justificação pela alta é dada como decorrente da crise econômica, da pandemia e do desemprego que empurraram as pessoas a recorrerem a essa modalidade de empréstimo por não conseguirem pagar integralmente as faturas do cartão. Com o aumento da procura por empréstimos os juros aumentaram.

Esse tipo de empréstimo é o mais comum e mais prático, uma vez que está pré-aprovado, basta utilizar, embora seja bem mais caro que os empréstimos pessoais que requerem aprovação pelo banco para serem liberados. E nessa modalidade, por ser mais caro, aumenta o risco de inadimplência nos bancos.

Para contornar a inadimplência, em abril de 2017, passou a valer a regra imposta pelo governo aos bancos, onde após um mês a dívida deveria ser passada do rotativo do cartão para o juro parcelado, de menor taxa de juro. A intenção era reduzir a inadimplência e também os juros do cartão de crédito. Atualmente se comprovou ineficiente a estratégia, com o aumento dos juros, e o risco de inadimplência continuar forte.

A taxa do cheque especial diminuiu. Em setembro era de 114% e  em outubro foi de 112% ao ano. O crédito pessoal foi de 29,4% para 31,7% ao ano em outubro. A limitação imposta pelo Banco Central de não ultrapassar a 8% ao mês os juros no cheque especial, levou os bancos a oferecer parcelamento das dívidas nessa modalidade.

O volume de total de crédito oferecido pelos bancos chegou a R$ 3,8 trilhões em outubro, com alta de 14,5% em doze meses. Já em relação ao PIB a marca foi de 52,8% em setembro para 53,4% em outubro. O Banco Central projeta aumento de 11,5% de expansão do crédito em 2020.

Desse volume de crédito, a parte destinada às pessoas físicas é de R$ 2,2 trilhões representando acréscimo de 1,7%, enquanto que para as empresas é de R$ 1,7 trilhões, com acréscimo de 1%. 

Temos, assim, notícia de aumento dos juros por conta da maior procura por empréstimo para quem perdeu renda com as crises e o desemprego. E a pior parte ficou com os trabalhadores que são os que mais sofrem com as crises.

As empresas e bancos receberam R$ 1,2 trilhões do governo para passarem pela crise, enquanto os trabalhadores receberam a esmola de R$ 600 reais por período limitado e sem abranger a totalidade de desempregados. 

A pandemia não dá sinais de recuo, pelo contrário, os números indicam crescimento do número de mortes diárias, passando de 620 casos. E os trabalhadores continuarão sem a esmola a partir de janeiro. Como sobreviver assim?

Quem carrega o peso da crise nas costas são sempre os mesmos, a classe trabalhadora. Com a pandemia o peso aumenta e muito. Por quanto tempo ainda essa classe suportará carregar o país nas costas sem se rebelar contra esse sistema injusto e genocida?

Difícil dizer, mas com certeza as lideranças políticas da classe fazem muita diferença, ao invés de procurarem a conciliação com a elite podre e escravagista, deveriam mobilizar e organizar a luta para reverterem a situação desfavorável em situação mais digna e revolucionária. 

A luta pode ocorrer em situação favorável, já que a elite encontra-se em conflito de políticas a serem adotadas, de um lado o presidente querendo ir em direção a reforma fiscal e do outro o Guedes e o imperialismo forçando a mão para reformas do estado, que leva de imediato a mais desemprego e perda de renda.

O governo vai bem quando o povo encontra-se dividido, neste caso o governo é quem está dividido, mas o povo está sem direção política. Com a falta de lideranças, o povo precisa urgentemente se organizar em conselhos populares e estabelecer um plano de lutas e reivindicações, ocupar as fábricas e administrá-las, o mesmo com o estado. Tudo sob controle da classe mais capaz e eficiente, rumo a uma sociedade trabalhadora, organizada por quem produz as riquezas no sistema.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas