Juízes carcereiros: indulto para presas concedido por Temer só valeu para 3,5% das potenciais beneficiárias

detentas

Da redação – Apesar do decreto presidencial de dezembro de 2017 que estipulou as condições para obtenção do indulto, poucas presas foram beneficiadas por ele, ou seja, pouco mais de quatrocentas detentas tiveram o seu alvará de soltura expedidos, as outras treze mil e quinhentas que poderiam receber o benefício aguardam apreciação da justiça.

Por pura falta de interesse do judiciário as pessoas são obrigadas a ficar enjauladas mesmo tendo as condições estabelecidas pela própria lei para obter a liberdade.

A maioria dos juízes fascistas que ocupam sua posição de controle da porta da cadeia querem que as pessoas, mas principalmente as mulheres, mofem nas celas. O ministério público, como todos sabemos, está mais interessando em encher as cadeias do que em esvaziá-las, e não irá dedicar tempo para analisar esses milhares de casos.

Para soltar essas mulheres bastava apenas a publicação do decreto e a análise pelo próprio responsável pelo sistema prisional, avaliar a sentença imposta a cada uma e expedir o alvará para libertar todas essas mulheres, nada além disso.

Toda a burocracia estatal serve apenas para dificultar a vida de quem não tem dinheiro.